Publicidade Google

segunda-feira, 31 de maio de 2010

Policiais militares fazem paralisação em Goiânia

Policiais militares fazem paralisação em Goiânia

Parte dos policiais permaneceu nos quartéis até as 18h.
Categoria quer reajuste salarial e mudanças no plano de cargos e salários.

Do G1, em São Paulo
Policiais militares em GoiâniaPoliciais militares fizeram uma paralisação em Goiânia, nesta segunda-feira (31). Parte dos policiais permaneceu nos quartéis e não saiu às ruas durante todo o dia. O protesto terminou por volta de 18h, segundo a assessoria de imprensa da Polícia Militar. A categoria reivindica reajuste salarial e alterações no plano de cargos e salários. Ainda segundo a assessoria de imprensa da PM, o comando da polícia e representantes das associações de policiais marcaram uma reunião para o dia 8 de junho para negociar as reivindicações (Foto: Mantovani Fernandes/O Popular/AE)

LEIA MAIS

Vaccarezza: PEC 300 pode ser votada amanhã

Vaccarezza: PEC 300 pode ser votada amanhã
Se policiais e bombeiros concordarem em tirar valor do piso do texto, líder do governo afirma que ele pode entrar em pauta na terça-feira (1)
Rodolfo Torres
Líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP) avalia que a PEC 300 pode entrar em votação nesta terça-feira. Contudo, para tanto, é necessário que policiais e bombeiros concordem em retirar o valor do reajuste da proposta de emenda constitucional, e aguardem que um projeto de lei trate do assunto após a promulgação da PEC. A proposta conta com o apoio formal de 321 deputados
“É preciso discutir com o futuro presidente da República e com os futuros governadores... Se não, eles entram na Justiça e não vai valer nada”, afirma o petista.
Amanhã, Vaccarezza terá uma reunião com parlamentares e representantes das categorias diretamente interessadas na PEC 300. Ele trará a posição oficial do governo sobre o assunto. A expectativa é de que, além de deixar para lei complementar o reajuste, o governo vai propor que o fundo para financiar as novas remunerações também fique de fora da PEC.
Na semana passada, representantes de policiais se reuniram com Vaccarezza e aceitaram retirar da PEC o reajuste salarial. Contudo, como a matéria não foi votada na noite da quarta-feira (26), as negociações retornaram à estaca zero
Para o deputado Capitão Assumção (PSB-ES), notório defensor da PEC, a posição do governo no episódio é “entristecedora”. “A intenção do governo é não votar nada que fale em piso”, destacou. Disposto a dar o braço a torcer, o parlamentar capixaba aposta que a PEC não será votada. “O objetivo é sufocar a PEC. Deixá-la morrer na Câmara Federal.”
Contudo, Assumção afirma que um mandato de segurança no Supremo Tribunal Federal (STF) é uma das possibilidades de forçar a Casa a apreciar a matéria. “Isso está sendo estudado”, explica.

LEIA MAIS

Líder do governo busca acordo sobre piso salarial dos policiais

Líder do governo busca acordo sobre piso salarial dos policiais

O líder do governo na Câmara, deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP), vai se reunir nesta terça-feira com representantes das lideranças dos policiais para tentar um acordo sobre as propostas que tratam do piso salarial para a categoria (PECs 446/09 e 300/08).
Segundo o líder, será proposto à categoria tirar o valor do piso do texto constitucional; e aprovar um fundo a ser definido por lei, assim como o prazo de validade para o fundo e para a lei. Vaccarezza acredita que o acordo é a melhor solução, em vez de uma disputa em período eleitoral. Ele lamenta que alguns deputados representantes de militares apresentem alguma resistência ao acordo.
Na opinião do líder, a lei pode até sair neste ano, mas depois das eleições. “Havendo acordo, a PEC entra na pauta desta semana”, enfatizou.
O texto aprovado pelos deputados em março prevê um piso provisório de R$ 3,5 mil para os policiais e bombeiros de menor graduação e de R$ 7 mil para os de nível superior.
Prioridades da semana
De acordo com Vaccarezza, as prioridades do governo para esta semana são o Projeto de Lei 1481/07, que permite o uso de recursos do FustO Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações foi instituído pela Lei 9998/00 com o objetivo de proporcionar recursos para cobrir a parcela de custo relativa ao cumprimento das obrigações de universalização de serviços de telecomunicações que não possa ser recuperada com a exploração do serviço. Cabe ao Ministério das Comunicações formular as políticas, as diretrizes gerais e as prioridades que orientarão as aplicações do Fust e definir os programas, projetos e atividades financiados com recursos do fundo. para a ampliação do acesso à internet de banda larga nas escolas públicas; e as PECs sobre o reajuste dos policiais.
Entre as prioridades de votação antes do recesso, o líder ressaltou  os projetos sobre o pré-salO termo pré-sal refere-se a um conjunto de rochas no fundo do mar com potencial para a geração e acúmulo de petróleo localizadas abaixo de uma extensa camada de sal. Os reservatórios brasileiros nessa camada estão a aproximadamente 7 mil metros de profundidade, em uma faixa que se estende por cerca de 800 km entre o Espírito Santo e Santa Catarina., que vão retornar do Senado, e as medidas provisórias.
Antes das eleições
Vaccarezza, que é contrário à votação de aumento de tributos e de gastos - como reajuste do funcionalismo -  em período pré-eleitoral, destacou para o segundo semestre o Projeto 29/07, que trata das novas regras para as TVs por assinatura. Ele disse que é totalmente favorável à proposta porque aumenta a democracia na forma de comunicação e transmissão de dados.
O líder do governo também lembrou que o projeto que altera o Código Florestal (Lei 4.771/65) poderá ser votado no início do segundo semestre. Ele diz que concorda plenamente com o andamento que o relator, deputado Aldo Rebelo (PCdoB-SP), está dando à proposta; e enfatiza que o texto deve encontrar a zona de equilíbrio: respeitar as áreas de proteção ambiental, sem inviabilizar a agricultura.
Reportagem - Idhelene Macedo/ Rádio Câmara
Edição - Regina Céli Assumpção

LEIA MAIS

Polícia Militar inicia greve por tempo indeterminado

 
A Polícia Militar fez um comboio com mais de 50 viaturas em protesto a nao aplicação da reposição salarial.

Polícia Militar inicia greve por tempo indeterminado
Goiasnet.com - com informações da CBN Goiânia
Os policiais militares iniciaram nesta segunda-feira (31) a paralisação de suas atividades por tempo indeterminado. A categoria reivindica reajuste salarial e a elaboração de um Plano de Cargos e Salários melhor para os soldados. Eles estão aquartelados no 7º Batalhão da Polícia Militar, no Jardim Europa.
Representantes dos policiais se reuniram nesta manhã com o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Carlos Antonio Elias, e o ex-secretário de Segurança Pública e atual líder do governo na Assembleia Legislativa, Ernesto Roller.
Você aprova a greve da Polícia Militar de Goiás? Vote aqui!
Segundo Roller, o governo irá fazer um estudo de impacto nas contas do Estado para apresentar, no próximo dia 8, uma proposta aos policiais. A ideia de paralisação havia sido suspensa no último sábado (29), durante reunião entre o comando da PM e membros do governo.
Contudo, segundo com o presidente da Associação dos Oficiais da PM, major Araújo, os policiais decidiram manter o movimento por considerar que a decisão foi tomada de forma unilateral. Ele acrescenta que a paralisação não é total, uma vez que serão mantidos nas ruas a Rotam, o Batalhão de Choque e de Trânsito. Contudo, as ocorrências de menor gravidade, como furtos, não serão atendidas.

LEIA MAIS

Adriano não aparece na DP e advogado negocia novo depoimento para 4ª feira

Adriano não aparece na DP e advogado negocia novo depoimento para 4ª feira

POR LESLIE LEITÃO
Jornal O Dia


Rio - O advogado de Adriano acordou com o delegado titular da 38ª DP (Brás de Pina) Luiz Alberto de Andrade, que o Imperador vai se apresentar até a próxima quarta-feira para prestar depoimento. Como O DIA antecipou nesta segunda-feira, O craque foi intimado a dar explicações na 38ª DP (Brás de Pina) sobre supostas transações financeiras com homens ligados à quadrilha de Fabiano Atanásio da Silva, o FB, chefe do tráfico da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha. Além disso, a Polícia Civil investiga duas fotos em que Imperador posa de atirador e mostra com as mãos o sinal de uma facção criminosa.
Adriano está com viagem marcada para o dia 6 rumo à paradisíaca Sardenha, no Mar Mediterrâneo, onde ficará uma semana de férias antes de se apresentar ao seu novo clube, a Roma.
Apontado como o mentor da execução do ex-diretor de Bangu 3, José Roberto do Amaral Lourenço, em outubro de 2008, o criminoso FB também comandou o ataque ao Morro dos Macacos, em Vila Isabel, em 17 de outubro de 2009, que resultou na derrubada do helicóptero da PM, matando três policiais.
Adriano costuma chamar de 'spa' o Complexo da Penha, onde vai com frequencia encontrar os amigos | Foto: Reprodução
Será a segunda vez em menos de três meses que o craque é chamado a uma delegacia para esclarecer suas relações com traficantes da favela onde nasceu. Em abril, após denúncia de O DIA, Adriano contratou dois advogados para tentar explicar na 22ª DP (Penha) como uma das duas motos Hornett 600 cilindradas, avaliada em R$ 35 mil, compradas por ele, foi parar em nome da mãe de Paulo Rogério de Souza Paz, o Mica, chefe do tráfico dos morros da Chatuba, Fé, Sereno, Caracol e Caixa D’Água, também na Penha.
Adriano foi convocado pela 38ª DP porque seu nome aparece em inquérito que apura o tráfico de drogas na região, que se transformou numa espécie de quartel-general do Comando Vermelho. O jogador costuma se referir ao local como ‘spa’.
A convocação para depor teria perturbado o atacante. Semana passada, após tomar conhecimento da intimação, o empresário do jogador, Gilmar Rinaldi, confessou à presidente do Flamengo, Patrícia Amorim, durante reunião na Gávea, que não havia mais como Adriano permanecer no clube, já que uma nova bomba “estava prestes a estourar”.
No inquérito da 22ª DP, o jogador negou ter dado a moto para Mica, a quem admitiu conhecer desde criança e encontrar sempre que visita a comunidade. A mãe do criminoso também falou sobre a relação dos dois, mas disse não saber se o craque famoso havia dado a motocicleta a seu filho, contra quem há oito mandados de prisão, sendo dois por homicídio.
O caso ainda não foi encerrado. Contradições nos depoimentos de Adriano e de um de seus amigos, Marcos José de Oliveira, o Marquinhos — que teria feito a compra na loja da Honda, em Vicente de Carvalho —, fizeram o delegado Jader Amaral pedir prazo maior ao Ministério Público Estadual para concluir o inquérito. Haverá novas diligências, e uma acareação entre Adriano e Marcos não está descartada.
Craque em fotos polêmicas
Na semana passada, fotografias que já circulavam pela cidade pararam nas mãos da Polícia Civil. Na mais impactante delas, Adriano — bem mais magro do que atualmente, indicando que a imagem já foi feita há algum tempo — aparece em posição de atirador. Procurada por O DIA, a assessoria de imprensa do craque informou que a arma na realidade é uma réplica usada para jogos de paintball.
Foto: Reprodução
A fotografia foi tirada na cozinha da casa do jogador, na cidade de Como, vizinha a Milão, na Itália, quando ele atuava na Internazionade. Quem aparece ao lado de Adriano seria outro jogador, também nascido e criado nas favelas da Penha. Assim como Adriano, ele faz pose de atirador. De acordo com a assessoria do atacante, a peça seria parte de um abajur que enfeitava a sala do craque.
Sigla de facção com as mãos
Em uma outra imagem, Adriano aparece rindo ao mostrar com as mãos a sigla ‘C V’, a mesma facção criminosa Comando Vermelho. Segundo a assessoria do jogador, o gesto foi uma brincadeira entre amigos.

O DIA teve acesso às fotografias há dois meses, mas decidiu só publicá-las após tomar conhecimento do novo inquérito e manifestação da cúpula da polícia. Ontem, o chefe do Departamento de Polícia da Capital, delegado Ronaldo Oliveira, afirmou que as fotos serão investigadas. “Isso vindo à tona, imediatamente vou mandar instaurar inquérito policial. Todos os fatos vão ser apurados, principalmente sua relação com traficantes”, disse.
Para Adriano, a sigla CV com as mãos não passa de uma brincadeira | Foto: Reprodução
Grupo derrubou helicóptero da PM
Na madrugada do dia 17 de outubro, traficantes do Comando Vermelho (CV) se reuniram nos complexos do Alemão, da Penha e no Jacarezinho e formaram um ‘bonde’ até o Morro São João, no Engenho Novo. Dali, eles deram início da uma das mais sangrentas batalhas pelo controle de bocas de fumo dos últimos anos.
A invasão ao Morro dos Macacos, em Vila Isabel, fez com que a Polícia Militar tentasse intervir para acabar com o confronto. Já de manhã, quando um helicóptero da PM sobrevoava as comunidades, foi alvejado e começou a pegar fogo. O piloto ainda conseguiu levar a aeronave até a Vila Olímpica do Sampaio, onde se espatifou. Três policiais morreram.
No fim de abril, a 25ª DP (Engenho Novo) concluiu suas investigações sobre o episódio e pediu a prisão preventiva de pelo menos 14 bandidos que teriam participado do ataque. Entre eles FB, Mica, Luciano Martiniano da Silva, o Pezão, e outros líderes do CV.

LEIA MAIS

Plenário tem pauta trancada por oito MPs nesta semana

Plenário tem pauta trancada por oito MPs nesta semana

A PEC que estabelece um piso salarial para os policiais ainda não está na pauta, mas poderá ser votada em sessão extra se houver acordo entre os líderes.
A pauta desta semana das sessões ordinárias do Plenário está trancada por oito medidas provisórias, duas das quais perdem a validade na terça-feira (1º). A votação do piso salarial dos policiais civis e militares e bombeiros dos estados (PECs 446/09 e 300/08) pode ocorrer em sessão extraordinária, caso a matéria seja pautada pelo presidente da Câmara, Michel Temer, com base em um acordo de lideranças.
Com a desistência das associações de policiais de manter na PEC os valores de um piso provisório, um novo texto será avaliado pelo governo. Entretanto, devido ao feriado de Corpus Christi na quinta-feira (3) e a uma sessão do Congresso marcada para terça-feira (1º) à noite, a análise da PEC poderá ficar para a semana seguinte.
Vigência encerrada
Uma das MPs que perdem a validade na terça-feira é a 476/09. Essa MP concede um crédito presumidoO crédito presumido do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) foi instituído pela Lei 9.363/96. O objetivo é ressarcir os exportadores do pagamento das contribuições para o PIS/Pasep e a Cofins, incidentes sobre as respectivas aquisições, no mercado interno, de matérias-primas, produtos intermediários e material de embalagem, para utilização no processo produtivo. O desconto nos impostos a serem pagos, chamado crédito presumido, é calculado com base em uma estimativa do lucro das empresas.   de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPIImposto federal cobrado sobre mercadorias industrializadas, estrangeiras e nacionais. O IPI é um imposto seletivo, porque sua alíquota varia de acordo com a essencialidade do produto, e não-cumulativo, ou seja, em cada fase da operação é compensado o valor devido com o montante cobrado anteriormente. ) às empresas que usarem artigos recicláveis adquiridos de cooperativas de catadores como matérias-primas na fabricação dos seus produtos.
A outra MP que perde a eficácia é a 478/09. Ela extingue, com efeitos a partir de 1º janeiro deste ano, o seguro habitacional do Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e autoriza a transferência de R$ 172 milhões ao Fundo de Desenvolvimento Social (FDS) para financiar moradias de famílias de baixa renda organizadas em cooperativas.
Ensino médio
Entre as MPs que trancam a pauta, mas não perdem a eficácia na primeira semana de junho, destaca-se a 484/10. Ela permite que a União transfira R$ 800 milhões a 11 estados no âmbito do Programa Especial de Fortalecimento do Ensino Médio.
Esse reforço temporário atenderá a estados das regiões Norte e Nordeste que apresentem, segundo cálculos do FundebCriado em 2006, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb) é constituído por 20% de uma cesta de impostos e transferências constitucionais de estados e municípios e de uma parcela de complementação da União. A previsão é que sejam atendidos 47,2 milhões de alunos da educação básica (infantil, fundamental, média, de jovens e adultos e especial) com investimentos públicos anuais de mais de R$ 45 bilhões, a partir do quarto ano do programa. Pelo menos 60% dos recursos do fundo serão usados no pagamento dos salários dos professores. O fundo tem vigência até 2020. Também serão atendidas creches (para crianças de 0 a 3 anos). O fundo foi criado pela Emenda Constitucional 53., valor anual gasto por aluno inferior ao valor médio encontrado para essas regiões.
Confira as demais MPs que trancam as sessões ordinárias:
- 481/10, que autoriza o Executivo a doar até 260 mil toneladas de alimentos a 12 países pobres;
- 482/10, que viabiliza a aplicação, pelo Brasil, de sanções autorizadas pela Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre os direitos de propriedade intelectual de outros países quando eles descumprirem normas da OMC;
- 483/10, que dá status de ministérios a quatro secretarias especiais vinculadas à Presidência da República;
- 485/10, que abre crédito extraordinário para o Ministério da Educação, os estados, o Distrito Federal e os municípios, no valor global de R$ 1,6 bilhão;
- 486/10, que abre crédito extraordinário para órgãos do Poder Executivo, no valor total de R$ 1,4 bilhão.
Outros temas
Também estão na pauta semanal, mas não trancam os trabalhos, as MPs 487/10, que amplia os limites de financiamento do BNDESO Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social é uma empresa pública federal vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. O banco financia principalmente grandes empreendimentos industriais e de infra-estrutura, mas também investe nas áreas de agricultura, comércio, serviço, micro, pequenas e médias empresas, educação e saúde, agricultura familiar, saneamento básico e ambiental e transporte coletivo de massa. para projetos de inovação tecnológica; 488/10, que permite a criação da empresa Brasil 2016 para monitorar os projetos vinculados às Olimpíadas do Rio de Janeiro; e 489/10, que autoriza a União a participar da Autoridade Pública Olímpica (APO), entidade coordenadora das ações governamentais dirigidas aos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de 2016.
Reportagem – Eduardo Piovesan
Edição – João Pitella Junior

LEIA MAIS

Ministério da Saúde faz operação de guerrilha virtual

Ministério da Saúde faz operação de guerrilha virtual
Para reagir aos e-mails com boatos sobre a vacinação contra a gripe suína, Ministério criou perfis em redes sociais como Twitter, Facebook e Orkut
Redação Época, com Agência Estado
Saiba mais

O Ministério da Saúde (MS) montou uma “operação de guerrilha” para reagir aos e-mails com boatos sobre a vacinação contra a gripe suína e esclarecer a população. Além de responder cada mensagem eletrônica a respeito do suposto perigo da vacina, o ministério criou perfis em redes sociais como Twitter, Facebook, Orkut e Formspring.me (site de perguntas e respostas) como forma de ampliar a comunicação.

Resultado: entre 8 de março e 26 de maio, foram 41.361 intervenções. E a equipe responsável pelo serviço passou a ser convidada para dar palestras em outros órgãos públicos, como Ministério Público Federal, sobre como ampliar a participação na rede mundial de computadores.

O trabalho na internet começou em 2007, durante uma campanha de doação de órgãos, quando comunidades sobre o tema foram contatadas e repassaram as informações do MS. E foi intensificado com a vacinação contra rubéola - o boato da época era que a imunização seria uma campanha de esterilização em massa.

A participação na rede ganhou força com o início da vacinação contra a gripe suína. ?Em março, recebi até 40 e-mails por dia de pessoas perguntando se as informações daquele e-mail eram verdade?, diz Marcier Trombiere, chefe da assessoria de Comunicação Social do MS.

A estratégia foi responder cada mensagem, replicando para todos os destinatários do e-mail e pedindo que a informação ?correta e científica? do ministério fosse retransmitida. ?O ministério foi impelido a trabalhar de forma ostensiva na internet?, afirma. Hoje, o MS tem uma equipe de 12 pessoas para monitorar a internet. O tempo médio de resposta é de 15 a 30 minutos. 
Fonte Época

LEIA MAIS

Programa tenta proteger testemunhas de ameaças em GO

Programa tenta proteger testemunhas de ameaças em GO
Vinícius Sassine - Correio Braziliense
Publicação: 31/05/2010 09:42
 
Goiânia —As evidências da atuação de grupos de extermínio na Grande Goiânia e de acobertamento pelas polícias Civil e Militar dos casos investigados fizeram o Ministério Público (MP) de Goiás pedir formalmente a entrada da Polícia Federal nas investigações sobre bandos especializados em execuções, compostos por policiais civis e militares. O Grupo de Repressão ao Crime Organizado do MP goiano conduz uma apuração mantida em sigilo e, diante das dificuldades impostas pela própria polícia, a PF foi acionada há pouco mais de um mês, numa última tentativa de identificar e prender os responsáveis pelas sucessivas execuções na capital de Goiás.

A situação chegou ao limite, o que obrigou os promotores do MP goiano a buscar também o apoio do Ministério da Justiça e da Secretaria Especial de Direitos Humanos (SEDH), ligada à Presidência da República. Pelo menos 24 pessoas – a maioria em Goiânia – estão ameaçadas de morte por policiais que integram grupos de extermínio. Elas conseguiram ser incluídas nos dois programas de proteção a testemunhas em funcionamento no Estado. Um é o Programa de Proteção a Vítimas e Testemunhas Ameaçadas (Provita), mantido com recursos do governo federal. Mais da metade das 42 pessoas atendidas pelo Provita está ameaçada por grupos de extermínio. O outro programa é o Serviço Estadual de Proteção ao Depoente Especial (SEPDE), do governo de Goiás. Dos sete réus colaboradores, como são chamados os protegidos pelo Estado, três testemunharam ações de policiais a serviço de grupos especializados em execuções e passaram a ser vítimas em potencial.

As investigações do MP e os relatos dessas testemunhas apontam para a existência de um grande grupo de extermínio formado por policiais na Grande Goiânia, com atuação na capital e em mais quatro regiões do estado. Eles se consideram "justiceiros" e perseguem principalmente pessoas que já tiveram alguma passagem pela polícia e que respondem a processos na Justiça, além de usuários contumazes de drogas e até mesmo informantes da polícia, que passam da condição de colaboradores para a situação de alvos dos grupos de extermínio.

É o caso da costureira Maria Pedrosa de Araújo, de 46 anos, moradora do Setor Buriti Sereno, na periferia de Aparecida de Goiânia (na Grande Goiânia). O filho Lindomar Pedroso de Araújo Mendanha foi assassinado aos 22 anos em setembro de 2004. No próximo dia 8 de junho, faria 28 anos.

O professor aposentado Divino Rodrigues Barco, de 58, morador da Vila Nova, em Goiânia, teve o filho Rodrigo Dias Barco, de 19, morto por um capitão da Polícia Militar (PM). Segundo a denúncia do Ministério Público (MP), Rodrigo e um colega tentaram assaltar o Audi A3 do policial no Setor Marista, bairro nobre de Goiânia. O capitão foi denunciado à Justiça comum, mas a ação foi trancada pelo Tribunal de Justiça de Goiás. Por "merecimento", o capitão foi promovido a major da PM goiana em março deste ano.

LEIA MAIS

Dois são presos após troca de tiros com a polícia em MG

Dois são presos após troca de tiros com a polícia em MG

Eles são suspeitos de montar barreira para assaltar motoristas.
Rapaz de 18 anos foi atingido no braço e nas costas.

Do G1, em São Paulo, com informações da TV Globo Minas
Dois homens foram presos depois de um tiroteio com a polícia, em Belo Horizonte, no domingo (30). Eles são suspeitos de montar uma barreira em uma rua da capital mineira, para impedir o trânsito e roubar motoristas.
Segundo a polícia, um motorista quase foi assaltado. Ele tentou dar marcha a ré quando viu um pedaço de cimento e pedras na via e foi surpreendido por dois assaltantes. Ao fugir, quase foi atingido por um tiro. O para-brisa foi atingido de raspão e o vidro ficou trincado.
Policiais que faziam ronda pela região perceberam a ação e começaram a atirar. Um dos supostos ladrões, de 18 anos, foi atingido no braço e nas costas e teve que ser levado para o hospital. O outro suspeito preso tem 28 anos.

LEIA MAIS

Assaltantes rendem funcionários de supermercado em MG

Assaltantes rendem funcionários de supermercado em MG

Reféns foram amarrados e ladrões procuraram pelo cofre.
Imagens de câmera de segurança devem ser usadas na investigação.

Do G1, em São Paulo, com informações da TV Globo Minas
Funcionários de um supermercado foram rendidos por assaltantes no domingo (30), em Contagem (MG). De acordo com a polícia, os criminosos chegaram a ameaçar o grupo de morte antes da chegada do gerente. Ninguém ficou ferido.
O gerente foi abordado quando se aproximou do estabelecimento, que fica em uma avenida movimentada. Ele teria recebido ordens para desligar o alarme. Os empregados ficaram amarrados e os ladrões foram até o cofre. Eles fugiram com o dinheiro que encontraram.
Depois que os assaltantes foram embora, um refém conseguiu se soltar e ajudou os colegas. Até a manhã desta segunda-feira (31), ninguém foi preso.
A polícia deve usar imagens do circuito interno de segurança nas investigações.

LEIA MAIS

Agenda da Câmara – 31 de maio a 4 de junho

Agenda da Câmara – 31 de maio a 4 de junho
Plenário

A primeira semana do mês de maio tem um feriado e oito medidas provisórias trancando a pauta de votações em plenário. Além das MPs, outra matéria que demandará esforço extra de negociações é a polêmica Proposta de Emenda à Constituição 300, que dispõe sobre a remuneração de agentes da segurança pública (leia tudo sobre).
Arrastando-se há meses na Câmara, a proposição levou um de seus principais defensores, o policial militar e deputado Major Fábio (DEM-PB), a pensar em abandonar a política. Fora da pauta, mas totalmente inserida nas preocupações de governistas e opositores, a PEC 300 pode ser votada em sessão extraordinária, caso haja consenso entre líderes.
Uma sessão do Congresso marcada para terça-feira (1º) à noite e o feriado de quinta-feira (3) devem atrapalhar os planos de quem quer ver a PEC aprovada ainda nesta semana. Seu texto-base, aliás, já foi aprovado, mas a aquiescência de representantes de associações policiais em excluir valores de um piso provisório suscitou a necessidade de novo texto. Falta tempo hábil entre a elaboração e a apresentação deste.
Assim, as prioridades devem ser as MPs – outras três (487/2010; 488/2010 e 489/2010) não trancam a pauta. Entre as que perdem validade na próxima terça-feira é a MP 476/09, que concede crédito presumido de Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) a corporações que utilizarem, em sua linha de produção, artigos recicláveis obtidos de cooperativas de catadores de lixo.

Já a MP 478/09, que também perde validade na terça-feira, elimina o seguro habitacional do Sistema Financeiro de Habitação e possibilita o repasse de R$ 172 milhões ao Fundo de Desenvolvimento Social com o objetivo de custear moradias de famílias carentes organizadas em cooperativas. A matéria tem efeito retroativo a 1º janeiro deste ano. 
Por sua vez, a MP 484/10 – que não caduca nesta semana, mas também tranca a pauta – permite à União o repasse de R$ 800 milhões a 11 estados, como medida de estímulo ao Programa Especial de Fortalecimento do Ensino Médio.

As demais MPs a trancar a pauta são: a  481/10, que permite ao Executivo a doação de até 260 mil toneladas de alimentos a 12 nações em dificuldades; a 482/10, que possibilita a aplicação, pelo Brasil, de sanções avalizadas pela Organização Mundial do Comércio sobre direitos de propriedade intelectual dos demais países quando estes desrespeitarem regras da entidade; a 483/10, que dá condição de ministério a quatro secretarias especiais subordinadas à Presidência da República; a 485/10, que concede crédito extraordinário no valor total de R$ 1,6 bilhão para Ministério da Educação, estados, Distrito Federal e municípios; e a 486/10, que opera o mesmo procedimento para órgãos do Poder Executivo, no valor global de R$ 1,4 bilhão.

LEIA MAIS

Polícia investiga execução no Barreiro

Polícia investiga execução no Barreiro
Estado de Minas -
Publicação: 31/05/2010 08:02 Atualização: 31/05/2010 08:11
Um homem de 30 anos foi morto a tiros no Bairro Vila Pinho, Região do Barreiro, em Belo Horizonte. Segundo a Polícia Militar, testemunhas viram quando um homem não identificado atirou contra Luciano Carlos de Freitas, por volta das 21h50 de domingo.

A vítima estava na Avenida Perimetral, 1.643, no Residencial Águas Claras. Luciano levou 11 tiros em várias partes do corpo e foi levado para a Unidade de Pronto Atendimento do Barreiro, onde morreu. A polícia investiga a autoria e os motivos do crime. Nenhum suspeito havia sido preso até o início da manhã desta segunda-feira.

LEIA MAIS

Hospital comemora 30 anos com nível internacional de excelência

Hospital comemora 30 anos com nível internacional de excelência
Álvaro Fraga - Estado de Minas
Publicação: 31/05/2010 07:05 Atualização: 31/05/2010 07:43
Em área nobre da capital, hospital investiu na qualificação de 
seus profissionais e no uso de ferramentas atualizadas de gestão - 
(Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)

Em área nobre da capital, hospital investiu na qualificação de seus profissionais e no uso de ferramentas atualizadas de gestão
O Hospital Mater Dei dá início hoje às comemorações de 30 anos de fundação. Concretização de um sonho acalentado por seu fundador e presidente, dr. José Salvador Silva, nesse período o hospital transformou-se em um dos principais centros médicos do país, com nível internacional de excelência e referência na área de saúde. Esse reconhecimento é resultado, nas palavras do dr. José Salvador Silva e dos filhos que integram a diretoria do hospital, Henrique Moraes Salvador Silva (diretor clínico), Maria Norma Salvador Ligório (diretora financeira) e Márcia Salvador Géo (diretora operacional), de uma filosofia de trabalho que nasceu junto com o hospital e que se mantém intacta e norteando todas as ações do centro médico.

“Sempre imaginei um hospital diferente, que atendesse de forma personalizada e humanizada, voltado para as reais necessidades do paciente e de seus familiares. Atenção, carinho e amor, num compromisso com a qualidade pela vida”, resume o presidente do Mater Dei.

Em conjunto com a proposta de atendimento, os componentes da diretoria do Mater Dei, que conta ainda com o dr. José Helvécio de Souza, diretor administrativo, ressaltam a adoção da tecnologia de ponta, com o uso dos mais modernos equipamentos e técnicas médicas, a constante qualificação dos profissionais que integram o corpo clínico (são 2,5 mil médicos cadastrados) e o emprego intensivo das ferramentas de qualidade como instrumentos fundamentais para que o hospital alcançasse o padrão de excelência que hoje ostenta.

Uma gestão de qualidade comprovada por certificações, como a concedida pela Organização Nacional de Acreditação (ONA), em 2004, quando o Mater Dei foi o primeiro hospital do país a alcançar o nível máximo de excelência, ou a da Niaho, organização internacional responsável pela acreditação dos hospitais dos Estados Unidos. Em 2009, o Mater Dei foi o primeiro centro médico fora dos EUA a ser certificado pela Niaho.

Quanto ao futuro, o dr. Henrique Salvador Silva informa que a instituição vai continuar buscando inovações para oferecer o melhor atendimento aos pacientes. “Vamos investir em nossa infraestrutura, no sistema de automação, que é um dos melhores do mundo, e em tecnologia de primeira linha. E, principalmente, na formação das pessoas, com treinamento do corpo clínico e dos mais de 1,5 mil funcionários do hospital. É o conjunto de ações nessas áreas que vai assegurar a manutenção e o desenvolvimento de nossos padrões de qualidade.”

Programas

As comemorações dos 30 anos do Mater Dei serão abertas hoje com o Seminário Gestão de Saúde, no Centro de Convenções do hospital, na Rua Gonçalves Dias, 2.700, às 8h. O evento, aberto a todos os profissionais da área, reúne especialistas em gerenciamento e administração com experiência em gestão hospitalar, de vários estados.

Às 19h30, no Palácio das Artes, a festa de confraternização para convidados contará com apresentações musicais e de dança, palestras e coquetel. Também será lançado o livro Mater Dei 30 anos – Do sonho à realidade, coletânea de discursos proferidos pelo dr. José Salvador Silva e editoriais escritos por ele e publicados no jornal Mater Dei. No dia 10, a Assembleia Legislativa de Minas Gerais promove solenidade no salão nobre em homenagem ao hospital.

LEIA MAIS

Soldado da Polícia Militar é encontrado morto na Chã de Bebedouro

Soldado da Polícia Militar é encontrado morto na Chã de Bebedouro 


Uma incursão de rotina em uma localidade conhecida como Alto das Palmeiras, na madrugada desta segunda-feira, dia 31, na Chã de Bebedouro, terminou de forma traumática para a guarnição do oficial de operações do 4º Batalhão, ao encontrar o corpo de um colega de farda em plena via pública.
De acordo com informações fornecidas pelos militares à reportagem do Alagoas24horas, a guarnição realizava um procedimento de rotina e ao chegar à localidade encontrou todos as luzes apagadas e os barracos fechados. Ao avaliar a área, os PMS encontraram o corpo do soldado Dener Esteves Moura, de 40 anos, que era lotado no 5º Batalhão de Polícia Militar, no Complexo Benedito Bentes.
Informações extra-oficiais dão conta que o militar seria dependente químico e já teria, inclusive, se submetido a vários tratamentos para se libertar do vício, sem obter êxito. O militar teria sido internado, em várias ocasiões, no Centro Hospitalar da Policia Militar.
Ainda segundo informações apuradas pela reportagem, o militar teria ingressado na corporação em 1991 e seria natural de Sergipe, onde reside a família. O soldado se encontrava de licença, uma vez que deveria ter seguido para o estado vizinho para acompanhar o tratamento médico de uma filha, que está doente. Não se sabe, no entanto, o que o soldado fazia em Maceió.
Durante os levantamentos dos peritos do Instituto de Criminalística (IC), moradores da localidade afirmaram que o soldado seria viciado em drogas e costumava frequentar a boca de fumo existente no local. O militar teria, inclusive, entregue o seu cartão de recebimento ao traficante, devido a débitos de droga.
O cartão foi localizado dentro de um dos barracos, de posse de três elementos identificados como Remir Melo dos Santos, 28, e Maurício Santos de Assis, 36, além de um menor de apenas 16 anos. Os três elementos foram detidos e encaminhados para a Central de Polícia Civil, no Pontal.
Quanto às causas da morte do militar, apenas a necropsia poderá determiná-la, contudo, não foi encontrado nenhum sinal aparente de violência. O corpo do soldado foi encaminhado para o Instituto Médico Legal Estácio de Lima.

LEIA MAIS

SNI espionou críticos do governo após a ditadura

Nos jornais: SNI espionou críticos do governo após a ditadura
Folha de S. Paulo
SNI espionou críticos do governo após a ditadura

Documentos liberados à Folha pelo Arquivo Nacional após 25 anos de sigilo demonstram que o governo do atual presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), espionou os principais focos de críticas na sociedade civil.
O governo interceptou cartas, infiltrou agentes e produziu listas de nome e endereços dos principais protagonistas da oposição. Criado após o golpe de 64 e mantido por Sarney (1985-1990), o Serviço Nacional de Informações centralizava as informações na chefia do órgão em Brasília, que tinha status de ministério e ocupava sala ao lado da de Sarney, no Palácio do Planalto. Os relatórios revelam os principais focos de preocupação do governo: partidos de esquerda, entidades de trabalhadores rurais sem terra, especialmente o MST -largamente o mais visado dentre todos-, religiosos da Teologia da Libertação, sindicatos e setores da mídia. O SNI recebia e retransmitia relatórios produzidos por inúmeros outros órgãos que formavam a chamada "comunidade de informações" -o arquivo contabilizou pelo menos 248 órgãos que integravam o sistema do SNI.

Leia tudo no Congresso em Foco

LEIA MAIS

Alagoas: Governo diz que anuncia correção salarial de militares só no dia 14 de junho

Alagoas: Governo diz que anuncia correção salarial de militares só no dia 14 de junho



Como eventual resposta à classe militar alagoana, no próximo dia 14 de junho, o Governo do Estado se comprometeu em apresentar o percentual correspondente à correção salarial da categoria. O anúncio foi feito após uma reunião com as representações militares, na manhã dessa sexta-feira, 28, no Salão de Despachos do Palácio República dos Palmares. 
“Se Deus quiser será o reajuste! O governador apresentará qual é o limite”, enfatizou o secretário de Estado da Gestão Pública (Segesp), Guilherme Lima, para as lideranças militares presentes.
Em contrapartida, os cinco presidentes da classe já anunciaram uma assembleia com a categoria no dia 14, às 15h, na sede da Associação dos Oficiais Militares de Alagoas (Assomal). O objetivo é apresentar o percentual para a Tropa Militar e deliberar ações mais enérgicas, caso a resposta da base seja negativa. 
As lideranças lamentaram a atitude do governo, pois esperavam uma resposta definitiva da pasta do Executivo nesta sexta-feira. “Milhares de militares alagoanos estão confiantes e na expectativa de que o Estado finalmente conceda como é de direito, a reposição salarial da Tropa. Há dois anos os militares alagoanos lutam por correção salarial que incluem datas-bases, resíduo de sete por cento de um acordo anterior, entre outros”, afirmaram os líderes da categoria. 
Durante o encontro, as promoções de 60 cabos para habilitação de sargentos também foram discutidas. Segundo os representantes da categoria, os militares passaram pelo curso de habilitação, participaram de formaturas, gastaram com novos fardamentos e "até agora não foram promovidos".
Ainda conforme as lideranças, existem cabos que há vinte anos estão na carreira militar e têm direito a promoção. Ao final da reunião, o secretário de Defesa Social, Paulo Rubim, se comprometeu em resolver a situação o mais rápido possível.
Estiveram presentes à reunião o vice-governador do Estado, José Wanderley Neto, o chefe do Gabinete Militar do Palácio do Governo, coronel PM Ronaldo dos Santos, os secretários de Defesa Social, Paulo Rubim e o da Gestão Pública, Guilherme Lima.
Das representações estavam os presidentes das associações militares Major Wellington Fragoso (Associação dos Oficiais), Coronel Campos (Associação dos Oficiais da Reserva), Sargento Teobaldo (Associação dos Subtenentes e Sargentos), Sargento Guimarães (Associação da Reserva da PM) e o Sargento Wagner Simas (Associação de Cabos e Soldados de Alagoas).
ACS/AL

LEIA MAIS

Viciado em fumo fica sem ajuda em Minas

Viciado em fumo fica sem ajuda em Minas
Luciane Evans - Estado de Minas
Publicação: 31/05/2010 06:20 Atualização: 31/05/2010 07:04
Dos mais de 800 municípios mineiros, apenas quatro têm programas 
públicos efetivos de apoio aos fumantes interessados em largar o cigarro
 - (Beto Novaes/EM/D.A Press )

Dos mais de 800 municípios mineiros, apenas quatro têm programas públicos efetivos de apoio aos fumantes interessados em largar o cigarro
Discursos não faltam, campanhas também não. As estatísticas são cada vez mais alarmantes e as leis, mais restritivas. Quando, enfim, essa corrente de força convence um fumante a parar de fumar, o futuro ex-viciado “traga” a contradição das políticas públicas no país: há incentivo para largar o vício, mas o atendimento é limitado para amparar quem decide por isso. Nesta segunda-feira, Dia Mundial Sem Tabaco 2010, o Brasil destaca as milhares de mortes ocorridas e as que estão por vir causadas pela droga, mas deixa no cinzeiro o tratamento precário que o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece a quem decidiu, a duras penas, dizer adeus às tragadas da morte.

A cada seis segundos, o cigarro suga uma vida no mundo. O dado é da Organização Mundial de Saúde (OMS), que, este ano, traz um alerta: se medidas não forem tomadas, até 2030, 8 milhões de pessoas terão perdido a vida por causa do vício. No Brasil, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), há 24, 6 milhões de fumantes, o equivalente a 17, 2% da população acima de 15 anos. Minas Gerais está acima da média. Segundo o IBGE, o percentual mineiro é de 17,6% da população com mais de 15 anos.

Mesmo com o alto índice, dos 853 municípios do estado, apenas quatro têm programa efetivo para apoiar quem largou o vício. A capital, onde a estimativa é de que haja cerca de 600 mil tabagistas, não está nessa lista. Dos 147 postos de saúde de BH, apenas nove são destacados pela Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) como locais credenciados. No entanto, o pouco que se tem ainda é limitado. Na última semana, repórter do Estado de Minas, passando-se como fumante, entrou em contato com essas nove unidades e constatou: atendentes do 156 (Disque Saúde) e de órgãos municipais desinformados sobre o serviço, postos que limitaram o atendimento somente a funcionários e, ainda, filas de espera.

Benedita da Silva, de 61 anos, bem que tentou. Fumante há 20, ela resolveu, no ano passado, que ia largar o vício e, quando soube do tratamento no SUS, inscreveu-se no programa no Posto Providência, na Região Norte, um dos nove credenciados em BH. “Entrei numa lista e fiquei esperando quatro meses. Não fui chamada até hoje e já desisti de abandonar o cigarro. Além disso, conheço pessoas que fizeram o tratamento pelo SUS e estão fumando mais ainda”, conta, descrente com o serviço.

“É um programa embrionário. Além das poucas unidades que o SUS oferece, às vezes faltam remédios para os atendidos”, reconhece a presidente da Comissão de Controle do Tabagismo da Associação Médica de Minas Gerais, Maria das Graças Rodrigues de Oliveira. Também coordenadora do Programa do Controle de Tabagismo e Tuberculose da SMSA, ela ressalta que os nove postos atendem grupos de 10 a 15 pessoas. “Por isso, há filas.”

Segundo Estela de Cássia Pereira, referência técnica de Promoção à Saúde/Tabagismo da Secretaria de Estado de Saúde, a procura é grande. “O programa é regulamentado pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca), do Ministério da Saúde, e funciona da seguinte forma: para ser credenciado, o posto tem de estar capacitado, com equipe preparada para atuar, com médicos, psicólogos e farmacêuticos. Além disso, não pode ter funcionários fumantes. O tratamento dura um ano e meio e são quatro seções em grupo, trimestralmente.”
Mas na prática é diferente. Segundo Estela, como faltam médicos e não há psicólogo na rede do Programa Saúde da Família (PSF), que é a equipe capacitada, qualquer outro profissional de curso superior pode atuar nessa frente. “É trabalhada a abordagem cognitiva comportamental. Na ausência de um psicólogo, pode ser um assistente social, um dentista ou fisioterapeuta. A medicação pode faltar, porque o estado é muito grande e a entrega ocorre com morosidade, podendo demorar até 45 dias. O grupo a ser tratado só começa a ser atendido quando chegam os medicamentos.”

A técnica reconhece que são poucos os municípios que têm o programa efetivo. “Mas há 12 cidades em processo de regulamentação”, diz, revelando que a situação foi levada à Comissão Intergestores Bipartite (CIB) para que o estado passe a regulamentar o programa. “O tabagismo é um problema de saúde pública e é preciso que se torne uma política estadual para que os gestores abracem a causa. Não adianta capacitarmos os 853 municípios se os gestores não o querem”, diz. No entanto, o Inca, do Ministério da Saúde, informa que o projeto não é de responsabilidade do ministério, mas do estado.

LEIA MAIS

Capitão de navio é suspeito de estuprar garota de programa

Capitão de navio é suspeito de estuprar garota de programa

Ele também teria mantido mulher em cárcere privado.
Advogado de capitão nega acusações.

Do Bom Dia Rio
O capitão de um navio norueguês é suspeito de estuprar e manter em cárcere privado uma garota de programa. John Erlin Kvilhaug foi preso em alto mar por agentes da Polícia Federal, na tarde de domingo (30).
Segundo a polícia, a vítima disse que ficou presa por mais de oito hotas na cabine do navio, que está ancorado na Baía de Guanabara. Exames do Instituto Médico Legal (IML) apontam que ela foi vítima de violência sexual.
Em depoimento à polícia, ela contou que chegou ao navio às 4h de domingo. O programa deveria durar duas horas, mas ela afirmou que só conseguiu sair do navio às 13h.
O advogado do capitão negou as acusações e disse que a garota de programa sabia que só podia deixar a embarcação depois do meio-dia, quando estava prevista a saída de uma lancha. Porém o delegado afirmou que outra prostituta teria deixado o navio mais cedo, às 11h.
O capitão está preso na penitenciária Ary Franco, em Água Santa, no subúrbio do Rio. De acordo com a PF, John Erlin vai responder por estupro e cárcere privado.
 

LEIA MAIS

Assembleia Legislativa aplaude nossas PFEMs, homenageando-as através da 1ª Turma de policiais militares femininas da Bahia

Assembleia Legislativa aplaude nossas PFEMs, homenageando-as através da 1ª Turma de policiais militares femininas da Bahia

Companheiros,
O dia 21/05/2010 vai entrar para a história da Assembleia Legislativa, como a data em que as PFEMs tomaram as galerias, mostraram sua força e plena relevância social à Bahia e à Corporação. A prova disso, foi o quilate das autoridades presentes à sessão-homenagem.
A reunião pensada para comemorar as duas décadas de formação da 1ª Turma de policiais militares femininas da Bahia, na verdade se tornou um ato maior. Uma declaração de amor coletiva à Polícia Militar e a gratidão desta ao formidável trabalho das PFEMs nesses 20 anos à Instituição. 
As fotos abaixo dão uma pequena dimensão como foi a linda festa no Plenário desta Casa Legislativa. Como agradecimento a maciça presença das nossas queridas PFEMs (mais de 400, com certeza). Reservo-me no direito de não citar nomes de todos os presentes, para não cometer a gafe de esquecer alguém. Mas, saibam que a presença de todos, tornaram o evento inesquecível. Parabéns as nossas queridas PFEMs!



Abraços,
Capitão Tadeu Fernandes
Deputado Estadual - Líder do PSB
Presidente da Subcomissão de Segurança Pública e Defesa Civil

LEIA MAIS

Deputado desistirá da política se não votar PEC 300

Deputado desistirá da política se não votar PEC 300
Major Fábio, líder dos policiais e bombeiros, diz que decepção no caso de não aprovação do piso da categoria o faria largar vida pública
Rodolfo Torres

“A política é a ciência das exigências.” O autor da frase é o político húngaro Lajos Kossuth (1802-1894). Mas bem que poderia ser de outro homem público. Deputado e policial militar, Major Fábio (DEM-PB) cogita a possibilidade de largar a política caso a PEC 300 não seja votada neste ano. “A decepção seria tão grande que talvez eu desista da vida pública”, afirmou ao Congresso em Foco. Essa reivindicação conta com o apoio formal de 321 deputados
Destacando não acreditar em eventuais manobras governistas para atrasar a apreciação da matéria, o deputado ressaltou que “ainda há esperanças”. “Depois de tanta negociação, eu não acredito que o governo é capaz de uma coisa dessas”, afirmou. “Eu não teria mais coragem de sentar numa mesa de negociação”, complementa.

Para ele, é preciso que o governo “dê garantias” para a conclusão da PEC 300 na Câmara. A matéria - que cria o piso salarial provisório a policiais e bombeiros militares de R$ 3,5 mil e R$ 7 mil para praças e oficiais, respectivamente - teve seu texto-base aprovado em março deste ano. Contudo, o plenário ainda terá de analisar quatro destaques que, na prática, descaracterizam a proposta.

A matéria foi objeto de uma reunião ocorrida na última quarta-feira (26) na Liderança do Governo na Câmara. No encontro, policiais abriram mão do valor dos salários no texto da Constituição.
A retirada dessas cifras era condição imposta pelo governo para que a matéria tivesse condição de ser apreciada em plenário. Entretanto, como a matéria não foi a voto naquele dia, a negociação voltou à estaca zero.
Parlamentares pró-PEC 300 criticaram as concessões feitas por policiais ao governo. O deputado Capitão Assumção (PSB-ES) as classifica como “absurdas” e aproveita para criticar o governo. “Conheço as atitudes do governo. É para não votar a PEC 300 de forma nenhuma. O governo não quer votar”, complementa.

Ferrenho defensor da matéria, o parlamentar capixaba irritou o presidente da Câmara, Michel Temer (PMDB-SP), quando transmitiu, em tempo real, via Twitter, a opinião dos deputados durante uma reunião de líderes que discutiu a PEC 300.  
Paes de Lira (PTC-SP) lembra que os deputados favoráveis à PEC recomendaram que os policiais não fizessem concessões ao governo na mesa de negociação. “Eles foram precipitados, fizeram concessão em troca de nada”, lamenta.
Semana decisiva
A semana será um divisor de águas para a PEC 300. Na próxima terça-feira (1º), outra reunião com o líder do governo na Casa, Cândido Vaccarezza (PT-SP), definirá se a matéria será votada pelos parlamentares. Vaccarezza trará a posição do Planalto sobre o assunto.
O petista classificou como “passo imenso” o fato de a categoria aceitar a retirada do piso salarial para policiais e bombeiros na PEC 300. Vaccarezza explicou que foram pedidas garantias de prazo para elaboração de um eventual projeto de lei, além de valores para do piso previsto na proposta de emenda à Constituição.
Ele chegou a levantar a possibilidade de o projeto contendo o reajuste salarial ser elaborado 180 dias após a promulgação da PEC. “Não dá para adiantar. Um projeto de lei agora não dá porque vai ter eleições no país e os governadores vão mudar”, argumentou o parlamentar.      

LEIA MAIS

Filas e atrasos marcam o domingo de vacinação em Salvador

Filas e atrasos marcam o domingo de vacinação em Salvador

Crianças e adolescentes de 10 a 14 anos foram vacinadas.
Pessoas aguardavam nos postos desde a noite do sábado.

Do G1, em São Paulo, com informações do iBahia.com
Filas imensas e muita espera marcaram o domingo (30),de vacinação para crianças e adolescentes entre 10 e 14 anos contra a meningite C em Salvador (BA). Boa parte da confusão foi causada pelo atraso na chegada das vacinas nos postos.
De acordo com a Central de Telecomunicações das Polícia Civil e Militar (Centel), as filas começaram a se formar desde a noite de sábado e houve ocorrências de quase todos os bairros da capital baiana relatando problemas para conseguir a vacina. Até as 10h, 31 ocorrências na Centel foram relacionadas à vacinação.
O G1 tentou, por telefone, contato com a assessoria de imprensa da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, mas não encontrou ninguém para comentar o assunto.
Em alguns postos, mais de mil pessoas esperavam pela vacina antes mesmo da abertura das portas.
  •  
Vacinação SalvadorTumulto e espera das pessoas que esperavam vacinação em  Pernambués, em Salvador. (Foto: Thiago Teixeira /AGÊNCIA A TARDE/AE)
De acordo com  informações do site da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, a nova etapa da vacinação contra a meningite C está marcada para os dias 12 e 13 de junho, quando deverão ser imunizadas 252.446 pessoas de 15 a 19 anos.
A terceira etapa, quando serão vacinadas 332.516 pessoas de 20 a 24 anos, ainda tem data definida.

LEIA MAIS

Parentes de vítimas do voo 447 embarcam para cerimônia em Paris

Parentes de vítimas do voo 447 embarcam para cerimônia em Paris

Airbus caiu sobre o Oceano Atlântico, em 2009, após deixar o Rio.
Parentes exibiram faixa de protesto que será levada para evento.

Henrique Porto Do G1 RJ
Parentes de vítimas do voo 447 da Air France embarcaram na tarde deste domingo (30), no Aeroporto Internacional Tom Jobim, na Ilha do Governador, subúrbio do Rio, para participar de uma cerimônia privada em Paris. Na ocasião, uma placa será inaugurada no cemitério de Père Lachaise, em homenagem aos mortos na tragédia. As despesas da viagem serão pagas pela companhia aérea, que organizou as homenagens na França. Dos 228 passageiros mortos no acidente, 58 são brasileiros.
Pai de uma das vítimas, Nelson Marinho mostra faixa com os 
dizeres  
Pai de uma das vítimas, Nelson Marinho mostra faixa com os dizeres "Em busca da verdade", que será exibida na cerimônia (Foto: Henrique Porto / G1)
O Airbus A330 caiu em junho de 2009 sobre o Oceano Atlântico, durante uma viagem entre o Rio de Janeiro e Paris, matando todas pessoas que estavam a bordo. Como as as caixas-pretas não foram encontradas, investigadores, pilotos e fabricante continuam sem conseguir explicar as razões do acidente.
"Acho que esta cerimônia nem deveria acontecer em 1º de junho, porque o avião caiu às 23h25 do dia 31 de maio. Eles sabem disso”, relembrou Newton Marinho, irmão de Nelson Marinho Filho, que morreu no acidente.
O pai Nelson Marinho, que integra a a Associação dos Familiares das Vítimas do Voo 447, confeccionou uma faixa de protesto onde se lê em francês a mensagem "Em busca da verdade". A faixa também exibe a reprodução de 32 pequenas bandeiras coloridas, representando os países que tiveram passageiros mortos.
Ele conta que foram dois os voos que saíram do Rio neste domingo levando parentes das vítimas: o primeiro decolou às 16h20; o segundo, às 19h.
“Na verdade, vou a Paris para protestar. Porque essa cortina de fumaça que fazem com missas, cerimônias e homenagens não conforta ninguém. Acho até que estes gastos poderiam ser revertidos para o atendimento às famílias”, destacou Nelson.
Já a jornalista Renata Mondelo Mendonça, que perdeu o marido, o engenheiro Marco Antonio Camargos Mendonça, acha que este tipo de iniciativa é válida.
“O ser humano precisa de rituais. Claro que não é por causa disso que o meu sentimento vai mudar, mas considero justíssimas as homenagens aos que se foram. Eles são merecedores”, afirmou Renata.
Buscas pelas caixas-pretasA terceira fase de buscas das caixas-pretas do voo 447 terminou na segunda-feira (24) sem sucesso, segundo o Escritório de Investigações e Análises (BEA), órgão francês encarregado do trabalho.
"Decidimos fazer um balanço de todas as operações de buscas que começaram há praticamente um ano", disse na época o diretor da BEA, Jean-Paul Troadec, à France Presse.. Segundo ele, vai ser necessário um ou dois meses antes de decidir se as buscas continuarão, uma vez que a decisão não cabe somente à BEA.
O BEA acreditava que as caixas-pretas poderiam ter sido achadas, sobretudo depois que um sinal sonoro foi localizado por um submarino francês e identificou a frequência delas.
A pista ajudou o BEA a restringir a área de busca e concentrar em um ponto específico. Diante disso, os responsáveis se mostravam otimistas sobre a possibilidade de encontrar os restos do avião, o que acabou não acontecendo.
Livro questiona segurança
No dia 19 de maio, chegou às livrarias um livro escrito por um repórter do jornal francês "Le Figaro" que questiona a segurança nos voos da Air France. "A Air France tem que fazer uma verdadeira revolução cultural se deseja evitar um novo acidente", afirma o jornalista Fabrice Amedeo em "La Face Cachée de Air France" ("A Face Oculta da Air France").
Na época do lançamento, a Air France afirmou em um comunicado que "respeita todas as regulamentações nacionais e internacionais em vigor" e acrescenta que a segurança da companhia "corresponde aos padrões mais exigentes da indústria aeronáutica mundial".
Os números são consequência de duas grandes catástrofes com aviões da Air France na década: o acidente do Concorde em 25 de julho de 2000, que deixou 113 mortos, e a queda do voo Rio-Paris, segundo Amedeo.
Segundo uma classificação citada no livro, mesmo antes da tragédia Rio-Paris, a Air France estava no 21º lugar na Europa e 65º do mundo na lista do nível de segurança, bem atrás das principais concorrentes europeias, British Airways e Lufthansa, que ocupam os primeiros lugares.

LEIA MAIS

Granada é encontrada em casa de festas, em Contagem

Granada é encontrada em casa de festas, em Contagem
30/05/2010 19h12
CLARISSA DAMAS
portal@otempo.com.br

FOTO: CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO
Granada estava dentro da casa de festas
CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO
Granada estava dentro da casa de festas
Uma granada foi encontrada por um funcionário de um buffet na noite deste domingo (30), em Contagem, na Grande BH. Assustado, o homem acionou a Polícia Militar que, acompanhada de uma viatura do Corpor de Bombeiros, foi até o bairro Eldorado.
A granada foi destruída por uma equipe do esquadrão antibombas da PM e o caso encaminhado para a Polícia Civil que vai investigar para descobrir a origem e quem deixou o artefato na casa de festas.
Atualizada às 19h34.
Galeria de fotos
CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO
CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO
CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO
CHARLES SILVA DUARTE/O TEMPO

LEIA MAIS

Pai suspeito de tramar morte do filho por Mega-Sena deixa a prisão em MS

Pai suspeito de tramar morte do filho por Mega-Sena deixa a prisão em MS

Homem e outro filho dele foram indiciados por formação de quadrilha.
Informação é da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul.

Do G1, com informações do Fantástico
Foi libertado no final da tarde deste domingo (30) Francisco Serafim Barros, 60 anos, em Campo Grande, Mato Grosso do Sul.
Ele é suspeito de planejar a morte de um dos filhos em razão da disputa por um prêmio da Mega-Sena, informou o delegado da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Rodrigo Yossaka ao G1.
Barros estava preso desde quinta-feira (27) quando foi detido pela polícia em Cuiabá e foi solto hoje depois de prestar depoimento sobre o caso. Também foram liberados neste domingo quatro homens que, segundo a polícia, foram contratados para praticar o crime - que não chegou a ser executado.
Só permanece na prisão o outro filho do empresário suspeito, Fabiano Leão de Barros. Segundo o delegado, ele também está envolvido no esquema e foi autuado em flagrante por porte de armas. Pai e filho foram indiciados por formação de quadrilha, segundo o delegado.
O Ministério Público havia dado parecer contrário à libertação dos suspeitos
A origem da briga
Segundo as investigações, a desavença começou quando, em julho de 2006, em uma lotérica de Cuiabá,o filho apostou na Mega-Sena e acertou sozinho as seis dezenas. O prêmio era de R$ 28.244.624,32.
“Eu falei: ‘o que eu vou fazer com um dinheiro desse tamanho? Vou ligar para quem? Vou ligar para o meu pai’”, conta ele que, com medo de morrer, não quer se identificar.
Na época, o pai era diretor de um banco estatal, em Belém. O filho sortudo trabalhava como instalador de vidros: “Foi depositado na conta do meu pai, por ele ser um expert em administrar dinheiro. Eu tinha um monte de patrimônio, mas nada no meu nome. Tudo no nome dele”.
Quando o ganhador quis transferir a quantia, o pai não concordou e teve início uma briga judicial, há dois anos.
“Eu falei: ‘pai, eu quero tudo no meu nome’. Aí ele falou que não, que isso não era meu, era bem de família. O patrimônio que ele passou pra mim foi R$ 14 milhões em fazendas de gado”.
O vencedor dos R$ 28 milhões da Mega-Sena, que mora atualmente em Guiratinga, Mato Grosso, entrou na Justiça contra o pai. Quer todo o valor do prêmio de volta. O caso ainda está sendo analisado. A Justiça já determinou o bloqueio de bens de Francisco Serafim Barros.
No sábado, o advogado Ricardo Monteiro, que defende o filho, disse ao G1 que pai e o filho ganhador da Mega-Sena não se falam há cerca de três anos. O filho foi informado pela polícia sobre os supostos planos do pai.
Investigações
O plano começou a ser descoberto em um posto da Polícia Rodoviária Federal a 50 quilômetros de Campo Grande.
O policial decidiu parar um veículo que já estava deixando a cidade em direção ao estado de Goiás. Dentro estavam dois homens que aparentemente não levantavam suspeita. Mas durante a revista, o policial encontrou arma e munição.
Os homens levavam ainda um envelope com fotos do vencedor da Mega-Sena e da namorada dele. Nervosos, os suspeitos disseram que eram de parentes. Mas um dos policiais rodoviários, Jaques Douglas Barbosa, olhou as fotos e se mostrou espantado com o que classifica de uma enorme coincidência: a moça da foto era prima dele. “Sem dúvida nenhuma, é muita sorte mesmo. Ela nasceu de novo”, contou o policial.
Os dois homes ficaram cinco dias presos. A polícia acredita que o ganhador da Mega-Sena não foi assassinado porque não estava na cidade. “Ganhei uma vez de Deus um dinheiro grande e outra vez de Deus a minha vida de volta”, disse o ganhador do prêmio.
Em depoimento, um acusado de ser matador de aluguel deu a seguinte versão, explicada pelo delegado Ivan Barreira: “Ele disse que foi dito pelo suposto mandante: ‘este cabra está me dando muito trabalho, eu preciso tirar ele do meu caminho, se referindo ao cabra, que seria o filho dele’”.
“Era o cara mais honesto do mundo, o meu pai. Ele não devolver o meu prêmio já era uma coisa que ninguém acreditava nisso. Agora, acontecer de ele mandar me matar, isso é muito mais inacreditável. Eu acho uma ganância muito grande”, desabafou o milionário.
Na fazenda do irmão, Fabiano Leão de Barros, foram encontradas várias armas. Ele e o pai se dizem vítimas de uma armação: “Ele já nos ameaçou de morte varias vezes. Nós já fizemos boletim de ocorrência na polícia. Somos vítimas dele. A gente fica taxado como bandido”, explica o irmão do milionário, Fabiano Leão de Barros.

LEIA MAIS

Publicidade Google

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO