segunda-feira, 6 de dezembro de 2010

Siglas de temidos bandos simbolizam a dominação territorial no Rio




Renata Mariz - Correio Braziliense

As iniciais do Comando Vermelho são comuns nos muros do Complexo do Alemão, numa demonstração de poder (Iano Andrade/CB/D.A Press. Brasil. Rio de Janeiro - RJ)
As iniciais do Comando Vermelho são comuns nos muros do Complexo do Alemão, numa demonstração de poder


Rio de Janeiro – Além das marcas de bala, fruto da ocupação policial realizada na última semana no Complexo do Alemão, os muros do conjunto de favelas da capital fluminense exibem uma sigla muito comum e temida por moradores do local: CV. Iniciais de Comando Vermelho, considerada a mais antiga e maior facção criminosa do país, grupo que dominava a área até então. Brigas internas e traições resvalaram para dissidências, que originaram os outros dois bandos hoje atuantes no Rio: Amigos dos Amigos (ADA) e Terceiro Comando Puro (TCP). Seguindo o exemplo carioca, bandidos de São Paulo formaram o Primeiro Comando da Capital (PCC). Embora a simples menção a essas siglas seja tabu entre autoridades policiais, devido ao temor de dar publicidade e força às organizações, elas representam um grave desafio para a segurança pública nacional.

Em comum, todas as facções do Rio de Janeiro se apoiam na dominação de território que garanta uma área de livre comércio de maconha e cocaína, principalmente, além de armas. "Diferentemente de outros locais, os morros cariocas facilitam esse controle de quem entra e quem sai, deixando os traficantes encastelados", explica Daniel Sampaio, delegado da Polícia Federal e criador do Comando de Operações Táticas (COT) da corporação, grupo de elite que atuou na ocupação do Alemão. O policial federal destaca que, aliada à topografia, uma omissão de 40 anos do estado fluminense culminou nos grupos organizados. Representado por Luiz Fernando da Costa, vulgo Fernandinho Beira-Mar, o CV é tido como a facção mais violenta da cidade, bem como a mais faminta por dominar favelas. Por outro lado, presta apoio à família de integrantes importantes que são presos, a exemplo do que faz o PCC.

No outro extremo está a ADA, famosa pela atuação sem alarde. Hoje, a principal área dominada pela facção é a favela da Rocinha, importante pelo tamanho, cerca de 120 mil pessoas, e pela localização, em plena Zona Sul. Lá, tiroteios com a polícia repercutem mal devido à vizinhança de classe média alta. Ao mesmo tempo, os compradores abastados estão próximos das bocas de fumo. O Terceiro Comando Puro, outro grupo criminoso do Rio, é tido como menos importante, por controlar comunidades pequenas. Ele se originou do racha numa outra facção, o Terceiro Comando (TC), que acabou desmantelada em 2002. Para minar o grupo, Beira-Mar mandou executar um dos principais chefes do TC, Ernaldo Pinto Medeiros, conhecido por Uê. O assassinato ocorreu durante rebelião em Bangu I e, de tão importante para a história do crime na capital fluminense foi reproduzido nas primeiras cenas de Tropa de Elite 2.

Iniciais de Comando Vermelho, considerada a mais antiga e maior facção criminosa do país (Iano Andrade/CB/D.A Press)
Iniciais de Comando Vermelho, considerada a mais antiga e maior facção criminosa do país


Apesar de autoridades evitarem falar desses grupos, suas siglas estão estampadas nas fichas dos presos do Rio. O detento é lotado em determinada unidade de acordo com a facção a que pertence. Ou pior, conforme o local onde nasceu. "Precisamos mesmo perguntar se ele tem algum problema, se está ameaçado, porque senão você coloca em risco a vida e a integridade psíquica do cara. Contudo, essa classificação traz problemas, como em Bangu 2, onde há gente cumprindo pena de todo tamanho", explica a defensora pública no Rio Renata Tavares. Ela destaca que, ao misturar presos por se denominarem da mesma facção ou morarem na mesma favela, no lugar de categorizá-los pelo ato cometido e tempo de pena,o poder público mina a chance de um condenado por crime leve se recuperar. "Por outro lado, se o cara tem uma tendência a gostar de ser malandro, vai sair escolado", critica.

Para Ignácio Cano, especialista em segurança pública do Laboratório de Análise da Violência da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj), o fundamental não é tentar desarticular as organizações criminosas dentro dos presídios, mas, sim, evitar que dali chefes consigam dar ordens para comparsas do lado de fora. "Retomamos, com esses episódios dos incêndios no Rio, a discussão sobre o monitoramento de conversas entre presos e visitantes", lembra o especialista. Na esteira disso, outro debate, ainda mais espinhoso, entra em cena. Trata-se da escuta de diálogos dos detentos com seus advogados. O problema é que o tema esbarra em uma garantia constitucional, o direito de defesa. Na avaliação de Cano, um esforço do Congresso Nacional poderia driblar esse obstáculo. "Seria necessária uma modificação legislativa para que o conteúdo monitorado não pudesse ser usado para processar os presos, mas apenas para interceptar ordens", sugere.

Surgimento do CV

No final da década de 70, em plena ditadura militar, assaltantes de bancos foram detidos com presos políticos no presídio de Ilha Grande. Teria surgido, nessa ocasião, o embrião do Comando Vermelho, que nasceu sob a alcunha de Falange Vermelha. O objetivo era, além de garantir direitos básicos dos presos, buscar financiamento para as ações de esquerda. No entanto, alguns grupos abandonaram os assaltos e passaram a investir no comércio de substâncias ilícitas, num total abandono dos ideais cultivados no início.
Fonte: Estado de Minas

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO