quinta-feira, 31 de março de 2011

DH prende acusados de envolvimento na morte de segurança de contraventor




Sete pessoas foram detidas, sendo quatro PMs e um policial civil





Rio - Agentes da Delegacia de Homicídios (DH) da Barra da Tijuca prenderam sete pessoas em operação para prender os seis policiais acusados de participação na morte de um sargento do Corpo de Bombeiros que atuava como segurança do contraventor Rogério de Andrade.
Foto: Paulo Araújo / Agência O Dia
Hélio Castro Pinheiro, Policial Civil, preso por receptação e agiotagem | Foto: Paulo Araújo / Agência O Dia
Entre os detidos, quatro são policiais militares e um ex-PM. Alguns são acusados de atuarem como seguranças pessoais de Rogério Andrade. Durante a ação, um policial civil lotado na 25ª DP também foi preso em flagrante em sua casa com cheques e veículos roubados. Ele foi autuado por agiotagem e receptação. 

Antônio Carlos Macedo foi executado em 10 de novembro do ano passado quando passava com sua moto Harley-Davidson — avaliada em R$ 70 mil — em frente à Praia da Reserva, no Recreio, Zona Oeste do Rio.
Foto: Severino Silva / Agência O Dia
O sargento do Corpo de Bombeiros foi executado quando passava com sua moto de R$ 70 mil | Foto: Severino Silva / Agência O Dia
Três criminosos armados com fuzis abordaram o sargento, emparelhando o carro onde estavam com a motocicleta e dispararam várias vezes contra a vítima, que morreu no local. Os assassinos estavam em dois carros, atearam fogo em um deles, um Gol vermelho, e fugiram no veículo que dava cobertura à ação.

Máfia de caça-níqueis

Macedo era apontado como segurança do contraventor Rogério Andrade, sobrinho de Castor de Andrade e já havia sido condenado em primeira instância por envolvimento com a máfia de caça-níqueis. O sargento respondia em liberdade. 

Por trás do assassinato de Macedo, está a disputa por território e controle de máquinas caça-níqueis. Uma das linhas de investigação da Polícia Civil é a de que Macedo teria sido executado por ex-policiais que não abrem mão de parte do território da Barra e de Jacarepaguá.

Filho de Rogério de Andrade morreu em maio

Meses antes, em 8 de abril, o filho do contraventor, Diogo Andrade, de 17 anos, morreu na pista central da Avenida das Américas, na altura do condomínio Barra Bali, no Recreio. Um explosivo, que estava embaixo do carro de Rogério, destruiu o veículo e matou Diogo e um segurança na hora. O filho de Rogério teria morrido no lugar do pai, já que estava dirigindo o automóvel.
Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia
Um atentado a bomba matou o filho do contraventor Rogério Andrade em abril do ano passado | Foto: Alexandre Vieira / Agência O Dia
Rogério estava no banco do carona e ficou gravemente ferido. Atualmente, Rogério Andrade é patrono da Mocidade Independente de Padre Miguel. Sua namorada, Andréa, foi a rainha de bateria da agremiação da Zona Oeste no carnaval 2011.
O Dia

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO