terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Polícia Civil de Minas deve ir a Mato Grosso do Sul para ouvir Nem




Traficante teria participação em ameaça a envolvidos no caso Eliza Samudio.
Depoimento deve acontecer até a próxima semana.


A Polícia Civil de Minas Gerais deve ouvir, nos próximos dias, Antônio Bonfim Lopes, o Nem, sobre a denúncia de participação em um plano para matar pessoas envolvidas no caso Eliza Samudio. Primeiramente, o detento seria ouvido por carta precatória, mas a previsão é que o delegado Islande Batista, que apura o caso, vá até o Mato Grosso do Sul.

O local onde será realizado o depoimento ainda não foi definido. De acordo com a assessoria da Polícia Civil, o mais provável é que a oitiva ocorra no Presídio Federal de Campo Grande, onde Nem está preso.

Denúncia
De acordo com a denúncia de um presidiário, o ex-goleiro Bruno Fernandes e Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, contariam com a ajuda do traficante da Rocinha para executar a juíza Marixa Fabiane Lopes Rodrigues, que preside o processo; o delegado Edson Moreira, chefe do inquérito; o presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais, deputado Durval Ângelo; o ex-advogado do Bruno, Ércio Quaresma; e o advogado José Arteiro, que defende a família de Eliza Samudio.

O autor da denúncia está detido na Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ele teria ouvido uma conversa entre Bruno e Bola - atualmente preso no complexo de São Joaquim de Bicas, na Grande BH -, em que os dois arquitetariam o plano e citariam o nome de Nem como articulador das mortes.

O caso está sendo investigado desde dezembro do ano passado. Nesta segunda-feira (30), uma das supostas vítimas, o deputado Durval Ângelo, foi ouvido pela polícia na Assembleia Legislativa de Minas Gerais.

Além do parlamentar, Bruno, Bola, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, Ingrid de Oliveira, noiva do ex-goleiro, e o advogado Ércio Quaresma prestaram depoimento sobre o caso.

Caso Eliza Samudio
O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Para a polícia, Eliza foi morta em junho de 2010 na Região Metropolitana de Belo Horizonte, e o corpo nunca foi encontrado.

Após um relacionamento com o goleiro Bruno, Eliza deu à luz um menino em fevereiro de 2010. Ela alegava que o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

O goleiro, o amigo Luiz Henrique Romão – conhecido como Macarrão –, e o primo Sérgio Rosa Sales vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Sérgio responde ao processo em liberdade. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro; Wemerson Marques, amigo do jogador, e Elenílson Vítor Silva, caseiro do sítio em Esmeraldas, respondem pelo sequestro e cárcere privado do filho de Bruno. Já Fernanda Gomes de Castro, outra ex-namorada do jogador, responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela. Eles foram soltos em dezembro de 2010 e respondem ao processo em liberdade. Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi inocentado.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), não há previsão de data para o julgamento do caso Eliza Samudio.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO