segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Militares se destacam no ensino e estão no topo do ranking do Ideb





Colégios mantidos pelo Exército ficam à frente de 99,8% das escolas públicas

DEMÉTRIO WEBER - AMANDA ALMEIDA 

AILTON DE FREITAS
Disciplina rígida e estudo. No Colégio Militar de Brasília, os estudantes Francisco Grigore e Louise Sicca exibem a medalha de ouro obtida pela colega Manoella Guerra este ano na Olimpíada de Matemática das Escolas Públicas

BRASÍLIA e BELO HORIZONTE - Os 12 colégios militares mantidos pelo Exército estão no topo do ranking do último Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), divulgado no mês passado. Num universo de 30.842 escolas públicas, eles ficaram entre a 6ª e a 70ª posição. O ranking considera o desempenho dos alunos das séries finais do ensino fundamental.

Calculado pelo Ministério da Educação, o Ideb é o principal indicador de qualidade do ensino brasileiro. Dentre os 12 colégios militares, os de Belo Horizonte e Salvador alcançaram o melhor resultado — 7,2, na escala até 10 —, o que lhes rendeu um empate na sexta colocação nacional. O do Rio, com 6,4, ficou na 37ª posição, o penúltimo entre os estabelecimentos militares. O de Manaus (6,2) foi o 70º , lanterna do grupo.


Considerados em conjunto, os colégios militares integram a elite acadêmica da educação pública. Estão à frente de 99,8% das escolas, conforme o Ideb de 2011 dos anos finais do fundamental. Seus alunos também se destacam em sucessivas edições da Olimpíada de Matemática e, no último sábado, três deles disputaram a final do quadro Soletrando, no programa “Caldeirão do Huck”, da TV Globo, vencido pela aluna do Colégio Militar de Porto Alegre Yasmin Bohm Lewis Esswein.

Disciplina, aulas de recuperação e um variado leque de atividades extraclasse fazem parte da rotina. Além, é claro, de sapatos engraxados e uniformes impecáveis. O código de conduta é rigoroso: quem for apanhado colando pode ser expulso.

Para o Exército, a rede de escolas cumpre um papel assistencial: atender filhos de militares em suas constantes mudanças de cidade. Mas a excelência acadêmica fez desses colégios o sonho de muitas famílias brasileiras. Enquanto filhos de militares têm preferência na matrícula, um batalhão de crianças e jovens sem vínculo com a caserna só entra se passar em concurso, os chamados vestibulinhos, com mais de 30 candidatos por vaga.

Os colégios militares atendem 14,6 mil estudantes, em turmas do 6º ano do ensino fundamental ao 3º ano do médio. Todos seguem os mesmos currículo e calendário, definidos por uma diretoria do Exército. O ano letivo é programado em detalhes com antecedência. Além das aulas, os alunos praticam esportes, tocam na banda, encenam peças de teatro ou debatem temas internacionais numa simulação de assembleia da Organização das Nações Unidas (ONU). Visitas a museus, comunidades quilombolas e órgãos públicos complementam o aprendizado.

Tamanha estrutura custa caro. De acordo com o Exército, o gasto por aluno/ano chega a R$ 11.170, quatro vezes mais do que as escolas estaduais e municipais do Rio recebem do Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), no segundo ciclo do ensino fundamental. A distância é ainda maior em estados com menor arrecadação, como Pernambuco e Amazonas, onde o gasto por aluno nos respectivos colégios militares é quase cinco vezes maior do que o repasse do Fundeb.

O Exército ressalva que o cálculo abrange todo tipo de despesa, até mesmo com os pelotões de soldados instalados em cada escola. Os pais de alunos pagam mensalidade de R$ 160 a R$ 178, a título de ajuda de custos.

Professores são civis e militares

Professores civis e militares formam o corpo docente. Os civis pertencem à carreira federal do magistério, mais bem remunerada do que as estaduais e municipais. Segundo o Ministério do Planejamento, os vencimentos variam de R$ 2,7 mil a R$ 11,8 mil, conforme a titulação.

Professora de Matemática há 13 anos no colégio de Belo Horizonte, a capitão Pollyanna Lara Milanezi encarna o espírito da instituição:

— Nada me deixa mais orgulhosa do que dizer que sou professora do Colégio Militar.


A unidade de Belo Horizonte é, segundo o Exército, a que tem mais alunos selecionados via concurso: 45% do total, mais do que o triplo registrado no Distrito Federal (14%). O subdiretor do Colégio Militar de Brasília, coronel Samuel Horn Pureza, diz que é comum receber alunos com defasagem de conhecimentos, o que exige esforço redobrado. Cerca de 40% dos professores têm mestrado e doutorado.

Segundo Samuel, o segredo do sucesso é a boa gestão:

— O Brasil é diversificado. Vêm alunos para cá com muita carência. É uma luta.

O chefe da Seção de Supervisão Escolar, coronel Adelino Bandeira, acrescenta outra virtude:

— O cumprimento fiel do programa curricular e das metas estabelecidas.

Filha de um capitão da Marinha, a estudante Louise Sicca, de 15 anos, é a primeira da turma entre cerca de 500 colegas do 1º ano do ensino médio em Brasília.

— Estudamos muito, o colégio incentiva. Aqui não se deixa acumular matéria.


A matéria original está no O GLOBO

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO