quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Força-tarefa apura ação de policiais em grupos de extermínios na Bahia




A Polícia Civil da Bahia criou uma força-tarefa para investigar a atuação de policiais envolvidos em grupos de extermínio que podem ser responsáveis por homicídios registrados em Simões Filho, cidade na região metropolitana de Salvador.


Segundo os dados de um documento enviado nesta quarta-feira (10) pela polícia, de fevereiro a outubro deste ano, foi registrado aumento de 100% no número de homicídios na área do Centro Industrial de Aratu (CIA), uma região desabitada do município e que funcionaria como ponto de desova de cadáveres.


De acordo com a Polícia Civil, a nova força-tarefa já detectou que a maioria dos corpos desovados na região do CIA tinha as mesmas características - eles estavam amarrados, despidos e com marcas de perfuração por objetos cortantes -, o que pode caracterizar a atuação de um mesmo grupo de extermínio.


A polícia não informou os motivos, mas os investigadores suspeitam que os crimes sejam praticados por policiais que fazem parte de milícias de Salvador. De fevereiro a setembro deste ano, a polícia removeu 46 corpos em Simões Filhoe região. Desses, 16 foram identificados e apenas um deles tinha vínculo familiar em Simões Filho; o restante era procedente da capital.


A polícia disse que os principais pontos de desova foram equipados com câmeras de vigilância, que irão tentar detectar suspeitos dos crimes. A força tarefa deve enviar um balanço da operação no período de 90 dias. O G1 tentou conversar com o delegado responsável pela investigação, mas ele prefere prestar outros detalhes a partir de quinta-feira (11).


Nesta quarta-feira, a única morte violenta na Bahia registrada pelo boletim online da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA) ocorreu em Simões Filho. A vítima não foi identificada.


A cidade tem o maior número de homicídios no país, com 146, 4 mortes por cem mil habitantes, segundo o Mapa da Violência. Metade dos crimes tem relação com o tráfico de drogas, segundo a polícia. O alto índice de homicídios registrados em Simões Filho ocorre porque o município é a principal área de "desova" de crimes praticados em toda região metropolitana de Salvador, disse, à época, a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).


Violência
Salvador e região metropolitana aparecem na 22ª posição das cidades mais violentas do mundo, de acordo com a relação divulgada nesta quarta-feira (10) pela Organização não Governamental (ONG) Seguridad, Justicia y Paz, situada no México.


Os dados foram computados a partir do cálculo entre taxa de homicídios registrados e número de habitantes de cada região. Segundo o levantamento da ONG, Salvador e RMS tem a taxa de 56,98 homicídios para cada cada 100 mil habitantes. Na lista, com outras 50 cidades do mundo, Maceió (3º), Belém (10º) e Vitória (17º) também ficaram entre as 25 mais perigosas.


Veja o artigo original no G1

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO