terça-feira, 30 de outubro de 2012

Ministério rebate secretário e diz que governo ofereceu ajuda na segurança




O Ministério da Justiça divulgou nota nesta terça-feira (30) rebatendo críticas do secretário de Segurança Pública de São Paulo sobre a participação do governo federal no combate à violência no estado. Mais cedo, ao comentar o aumento de homicídios na capital paulista, Antônio Ferreira Pinto disse que não recebeu ajuda do governo federal na área de segurança.
Na nota, o Ministério da Justiça diz que o governo federal ofereceu apoio ao governo estadual em "diversas oportunidades". "Essa proposta foi reiterada, inclusive, em reunião do ministro da Justiça com o secretário de Segurança Pública do Estado de São Paulo, em junho deste ano, em que questões da área de inteligência policial foram debatidas", diz o texto.
Pela manhã, Pinto disse que a visita foi de "cortesia". E disse que não foi oferecida ajuda. "Ele fez uma visita de cortesia a mim no dia 29 de junho. Nada foi oferecido. E, aliás, o que o governo federal pode oferecer é inteligência. Inteligência nós já temos um relacionamento há muito tempo", afirmou o secretário.
"Fora isso, convenhamos: o que o governo federal pode oferecer? Ajuda da polícia? Nós temos uma Polícia Civil aqui altamente especializada, com mais de 30 mil homens e a Polícia Federal tem 10 mil para o país inteiro", completou em seguida o secretário.
O Ministério da Justiça afirmou que o apoio consistia na "elaboração de um plano conjunto de ações voltadas ao combate do crime organizado e da criminalidade violenta, a exemplo do que vem sendo executado por outros estados brasileiros, como o Rio de Janeiro e Alagoas, cujos índices de criminalidade, nas áreas focadas, reduziram drasticamente".
A nota informa que o ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo, encaminhou nesta terça ofício ao governador Geraldo Alckmin manifestando a intenção de selar um pacto, com colaboração na área de inteligência e oferecimento de vagas em presídios federais.
O governo de São Paulo divulgou uma nota na noite desta terça dizendo que "não recebeu o ofício". "Assim que o receber, adotará todas as providências para intensificar a cooperação no combate ao crime, inclusive no intercâmbio de informações para o aperfeiçoamento do controle das fronteiras. O governador Geraldo Alckmin reitera que toda colaboração do governo federal na Segurança Pública é bem-vinda. E lembra que parcerias de sucesso já ocorrem no combate à miséria, em grandes obras de infraestrutura e na habitação popular."
Recursos
No texto, o ministério diz ainda que não pode "ser um mero repassador de recursos financeiros para substituir o custeio ordinário de ações na área de segurança pública". "O orçamento do Estado de São Paulo é um dos maiores do país e, por isso, a proposta de apoio federal sempre foi feita na perspectiva da elaboração de um plano integrado de ações, com uma matriz de responsabilidades recíprocas definidas", diz a nota.
Em outro trecho, a nota rebate críticas, reiteradas durante a campanha eleitoral, sobre a atuação no governo federal nas fronteiras. A nota chama a atenção para o Plano Estratégico de Fronteiras, executado pela Polícia Federal em conjunto com o Exército. Segundo a pasta, desde junho do ano passado, as operações já desarticularam 50 organizações criminosas, apreendeu mais de 227 toneladas de drogas, 9 milhões de pacotes de cigarro, 145 mil garrafas de bebida e 1.171 armas de fogo, além de prender mais de 7,5 mil pessoas em flagrante.
"No mesmo período em que a violência sobe no Estado de São Paulo, em outros, o nível de violência caiu, como no caso de Alagoas, que teve redução de 10% de crimes violentos, sendo 20% somente em Maceió, e 83% de resolução dos inquéritos, em apenas quatro meses da atividade conjunta entre o governo do Estado e o Ministério da Justiça", conclui o texto.
Fonte: http://g1.globo.com

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO