quinta-feira, 4 de outubro de 2012

'Policial será investigado como cidadão comum'







DE SALVADOR

Para Luciana Guimarães, diretora do Instituto Sou da Paz, o fim dos "autos de resistência" permitirá que policiais sejam investigados como cidadãos comuns. Ela classifica a medida como parte de uma política de transparência para a segurança pública.

Folha - Como a senhora avalia a proposta do Planalto?

Luciana Guimarães - Acho uma grande evolução, parte de uma política transparente de segurança pública. Se o policial mata alguém, que seja investigado do mesmo modo [que outros cidadãos]. Quando você bota "resistência seguida de morte", já está quase dizendo que não foi um homicídio intencional, que foi uma legítima defesa.

Por quê?

A classificação atual move uma investigação completamente diferente. E há a questão do corporativismo. Por outro lado, pode existir uma consequência perversa.

Qual?

Se a informação de que o homicídio foi cometido por um policial cair no bolo de todos os homicídios, a gente não vai mais saber disso.

Fonte: Resenha EB

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO