sexta-feira, 26 de outubro de 2012

RJ: morte de desembargador reacende a insegurança, diz OAB





O assassinato do desembargador Gilberto Fernandes na noite de quinta-feira, em Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro, voltou a provocar aumento da sensação de insegurança na cidade. A opinião é do presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) de Niterói, Antonio José Barbosa da Silva.

Em entrevista à Agência Brasil, o presidente da OAB disse que a cidade de Niterói experimenta aumento de "assaltos, roubo de automóveis e ações de pivetes", embora as estatísticas do Instituto de Segurança Pública (ISP), do governo do Estado do Rio de Janeiro, demonstrem queda do número de crimes violentos (homicídio, lesão corporal e tentativa de homicídio).

"A cidade está relaxada. Há falta de material humano na polícia, que está voltada para o Rio de Janeiro a cidade. Os ladrões, que não são bobos, migram para Niterói", acredita. Segundo Silva, a cidade perdeu efetivo policial para a capital, que foi contemplada com ações de pacificação em comunidades consideradas entre as mais violentas.

"A prioridade é sempre o Rio. De fato, a criminalidade lá é dez vezes maior por causa do tráfico, só que os bandidos acabaram vindo para cá. Niterói também tem comunidades carentes para eles se abrigarem e, aqui, eles têm que sobreviver, vender drogas, montar o tráfico", disse o advogado. "A Secretaria de Segurança é para todo o todo o Estado".

A sensação de insegurança em Niterói motivou uma reunião da OAB com a cúpula da Segurança Pública e do Tribunal de Justiça do Rio no semestre passado. Na ocasião, as autoridades, disse Silva, se comprometeram a aumentar o número de policias e ações de repressão na cidade. "Mas a gente sente que depois que a pressão da imprensa termina, volta o relaxamento", disse.

Sobre o desembargador assassinado ontem, Silva José lembrou que o colega era brilhante e atuante. Participava da comissão 'OAB Vai à Escola', que faz palestras sobre ética e reuniões de orientação profissional para estudantes. "Gilberto era fora de série, era uma pessoa querida, humilde, tinha um histórico importante", disse sobre o primeiro desembargador negro do Rio.

Estatísticas
De acordo com dados do Instituto de Segurança Pública, dos seis tipos de crimes mais violentos, entre janeiro e agosto de 2011 e o mesmo período de 2012, em Niterói, houve aumento de casos de estupro, de lesão corporal dolosa e de latrocínio (roubo seguido de morte). Caíram os homicídios, as tentativas de homicídio e as lesão corporal seguida de morte. O total de roubos e furtos também diminuíram este ano.

A Secretaria de Segurança também informou que recente estudo acabou com a tese de migração de bandidos do Rio para Niterói. O levantamento avaliou o perfil de 600 criminosos presos em Niterói, durante seis meses, após a ocupação das comunidade da Rocinha e do Vidigal, na zona sul do Rio. Do total, 34 eram de fora da cidade. Dentre eles, nenhum chefe do tráfico.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO