quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Mais de 130 mil pessoas com mais de15 anos são analfabetas em Fortaleza




Com 2.452.185 habitantes, Fortaleza tem mais de 130 mil pessoas com mais de 15 anos que não sabe ler ou escrever. Em um período de 10 anos, a taxa de analfabetismo absoluto dessa população caiu 33,07%, passando de 154.835 pessoas em 2000 para 130.091, em 2010. O dado faz parte de um estudo divulgado nesta terça-feira (20) pelo Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará (Ipece).

A pesquisa mostra que, em 10 anos, Fortaleza foi a sétima capital que mais reduziu o número de analfabetos mas que, apesar desse desempenho, a capital cearense ainda ocupa a sétima posição entre as capitais brasileiras, concentrando 6,9% da população que não sabe ler e escrever.

Entre as capitais com as menores taxas de analfabetismo nessa faixa etária, em 2010, estão Florianópolis (1,9%), Curitiba (2,1%) e Porto Alegre (2,3%), todas localizadas na região sul do Brasil. Já as que concentram as menores taxas estão nas regiões norte e nordeste, como Maceió (11,4%), Rio Branco (9%), Teresina (8,8%) e Natal (7,9%).

A pesquisa mostra, ainda, que embora o analfabetismo tenha diminuído nas diversas faixas etárias, ele continua alta entre a população entre sete e 10 anos. Em 2010, 11,8% da população desta faixa etária não sabia ler e escrever. Em 2000, esse percentual chegava a 20,91%. Já entre a população com mais de 65 anos, os analfabetos representavam 21,5% do total. Em 2000, esse número representava 29,57% da população desse grupo de pessoas.

De acordo com o instituto, é possível deduzir que os analfabetos, em Fortaleza, estão tanto entre a população mais velha quanto pelas crianças. Esse quadro pode, segundo a pesquisa, ser resultado da incapacidade ou da falta de qualidade do sistema de ensino atual. A pesquisa mostra outro dado preocupante sobre o analfabetismo: tanto em 2000 quanto em 2010, e em todas as faixas etárias, a população feminina analfabeta é superior à masculina.

A pesquisa foi elaborada com base em informações dos Censos de 2000 e 2010 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Para o Ipece, Fortaleza apresentou resultados satisfatórios na redução das taxas de analfabetismo, mas é necessário investir mais em ações e políticas publicas que incentivem as crianças e permanecer na escola até a conclusão dos ciclos necessários para a sua formação educacional.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO