terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Tornozeleiras eletrônicas vão atingir apenas cerca de 4,5% dos presos que cumprem regime aberto em MG




Em um ano, o Governo do Estado pretende colocar o equipamento em 814 presos

Divulgação / Seds
Primeiras tornozeleiras começaram a ser implantadas nesta segunda-feira (17)

Apenas cerca de 4% dos presos que cumprem regime aberto em Minas Gerais vão ser contemplados com tornozeleiras eletrônicas até o final de 2012. A informação foi dada nesta segunda-feira (17), pelos representantes da Secretaria de Estado de Defesa Social. A expectativa é que cerca de 50 presos de Belo Horizonte que estejam enquadrados no regime aberto ou domiciliar recebam os aparelhos. Atualmente, 1.138 detentos estão nesta situação. O Governo promete ainda a instalação de 814 tornozeleiras no prazo de um ano.

O trabalho será ampliado em uma próxima fase já no início de 2013 e deve abranger detentos de Ribeirão das Neves, na região metropolitana, entre outros. Ao final de cinco anos, a meta é que 3.982 tornozeleiras já tenham sido distribuídas. Com o objeto, os presos podem ser monitorados 24 horas por dia por funcionários treinados em uma Central de Vigilância.

A seleção dos presos que poderão utilizar a tornozeleira será feita pelo juiz da Vara de Execuções Criminais, juntamente com o Ministério Público, Defensoria Pública e Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi). A análise da Comissão Técnica de Classificação das Unidades Prisionais também será levada em conta.

Equipamento

O equipamento instalado no detento é parecido com um relógio de pulso e pesa cerca de 150 gramas. A bateria do aparelho dura, no mínimo, dois dias e o carregamento é feito em menos de uma hora. O monitoramento pelas tornozeleiras pretende modernizar a estrutura da execução penal no Estado, reduzir gastos com encarceramento e garantir mais controle na fiscalização dos condenados que cumprem pena fora de presídios.

 

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO