quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Assassinos de juíza condenados






No segundo júri do caso, mais três policiais militares são punidos por participação na morte da magistrada carioca Patrícia Accioli

Os policiais militares Jefferson de Araújo Miranda, Junior Cezar de Medeiros e Jovanis Falcão, acusados pelo assassinato da juíza Patrícia Accioli, ocorrido em agosto de 2011, acabaram condenados a penas que variaram entre 26 e 22 anos de prisão. O júri, o segundo desde o crime, começou na terça-feira e foi encerrado na noite de ontem, no Fórum de Niterói. No primeiro dia, o delegado Felipe Ettore, ex-titular da Divisão de Homicídios do Rio de Janeiro, que investigou o caso à época, prestou o principal depoimento. Em dezembro do ano passado, o cabo Sérgio Costa Júnior primeiro recebeu punição de 21 anos de prisão.

Jefferson Miranda teve a pena mais alta, 26 anos de prisão, enquanto Júnior foi condenado a 25 anos e Falcão, a 22 anos e seis meses de detenção. Os três PMs responderam por homicídio triplamente qualificado e formação de quadrilha. As investigações classificaram como torpe a motivação do crime. No primeiro dia do júri, foi ouvido o cabo Costa Júnior, que defendeu o soldado Medeiros, afirmando que ele o colega sabia que estava indo, com os outros dois PMs, fazer uma emboscada para matar a magistrada. O cabo, que teve um terço de sua pena reduzida por ter aceitado a delação premiada, ressaltou que o soldado era um sujeito calmo e bem prestativo.

A morte de Patrícia Accioli aconteceu há quase dois anos e teria como motivação processos movidos pela juíza contra policiais militares, inclusive comandantes de batalhões em Niterói. Ela investigava relações dos PMs e traficantes. Patrícia foi emboscada quando se dirigia para casa. Além dos quatro acusados já condenados, ainda restam sete pessoas a serem levadas ao banco dos réus. Um deles é o coronel Cláudio Oliveira, suposto mandante do crime. Ele e o tenente Daniel Benitez estão detidos na Penitenciária Federal de Campo Grande. Os demais aguardam julgamento no Complexo Penitenciário de Bangu

Por EDSON LUIZ

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO