quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Fim do golpe contra servidores inativos






A Polícia Federal desarticulou, ontem, uma quadrilha que aplicava golpes em servidores públicos federais aposentados. A Operação Bloqueio prendeu sete pessoas em Brasília, Belo Horizonte, Parauapebas (PA) e São Luís (MA). Os criminosos tinham acesso a dados pessoais das vítimas.

Os estelionatários se apresentavam como funcionários do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), desembargadores, juízes, procuradores ou advogados, mostravam que tinham informações privilegiadas e conhecimento sobre trâmites processuais. Em seguida, pediam que os aposentados fizessem depósitos para pagamento de custas judiciais ou honorários para agilizar ações em benefício das vítimas. A Justiça também concedeu outros mandados três de busca e apreensão, no Distrito Federal.

De acordo com a delegada Fernanda da Costa Oliveira, coordenadora da operação, "as histórias eram bem narradas, com muita desenvoltura". Por isso, até quem não tinha causa na Justiça acreditava que poderia ter algum direito a receber de gratificações ou remunerações atrasadas. "Os golpistas apresentavam dados qualitativos que faziam com que as vítimas pensassem que os processos eram verdadeiros", assinalou.

Ela ressaltou que houve gente que lançou mão de poupança feita ao longo da vida para fazer os depósitos pedidos pelos golpistas, que variavam entre R$ 50 mil e R$ 100 mil. De exemplo, contou o caso de um homem de mais de 90 anos que desembolsou R$ 98 mil e que, quando tentou retornar a ligação, o número não existia mais. "A operação demorou mais de um ano justamente por isso. Eles trocavam o chip do celular de 10 em 10 dias", explicou.

Acesso aos dados

A Polícia Federal ainda não sabe como os estelionatários tiveram acesso aos dados dos servidores aposentados — se houve apoio de algum funcionário público na ativa ou se as informações foram, por exemplo, roubadas por um hacker (especialista em contornar as barreiras que controlam sistemas e acessos a dados sigilosos). O inquérito que resultou na Operação Bloqueio foi aberto a pedido do CNJ, a partir de denúncias feitas à Ouvidoria, que recebeu e encaminhou à corporação mais de 100 denúncias envolvendo os golpistas.

Segundo o conselheiro ouvidor do CNJ, Wellington Saraiva, as queixas começaram há mais de dois anos. "Os que nos procuraram, na maioria, tinham noção de que a abordagem estava errada e não caíram no golpe." O CNJ informa que não cobra dinheiro de cidadãos em hipótese alguma e que não faz contatos telefônicos com quem tem demandas na Justiça. Pelo endereço eletrônico www.cnj.jus.br é possível entrar em contato com a Ouvidoria do CNJ para esclarecer dúvidas, fazer denúncias e dar sugestões. (VB)

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO