sábado, 26 de janeiro de 2013

Peritos Criminais do Pará utilizarão coletes à prova de balas






O Centro de Perícias Científicas (CPC) “Renato Chaves” acaba de adquirir 15 coletes à prova de balas para peritos criminais que atuam na Região Metropolitana de Belém (RMB). O objetivo é oferecer mais segurança aos técnicos nas ocorrências policiais, quando há necessidade de análise de perícia oficial.

Inicialmente, os coletes só serão utilizados pelos profissionais que atuam na sede da instituição, em Belém, que atendem a RMB e alguns municípios vizinhos, mas a tendência é que a utilização do equipamento de segurança individual seja padronizada. Os peritos criminais que atuam no interior do Estado, nas Unidades Regionais e Núcleos Avançados do CPC deverão utilizar o material ainda este ano.

Por enquanto, os 15 coletes comprados com a autorização do Exército Brasileiro serão utilizados em sistema rotativo, ou seja, deverão ser requisitados individualmente a um setor responsável sempre que um perito julgar necessário seu uso em serviço.

Segundo o perito criminal e diretor administrativo e financeiro do CPC “Renato Chaves”, José Edmilson Lobato, a segurança individual dos profissionais de perícia deve ser uma preocupação constante. “Essa já é uma tendência das instituições periciais localizadas nos grandes centros urbanos, sendo que alguns desses grandes centros ainda não possuem essa segurança. Ou seja, saímos na frente de muitos estados brasileiros”, explica.

Assim como policiais, os peritos criminais precisam chegar a localidades de difícil acesso e que podem representar ameaça à sua integridade física, a exemplo dos que atuam em perícias de locais de crime contra a vida e reproduções simuladas. Geralmente, com o auxílio de outros agentes de Segurança Pública, estes profissionais enfrentam florestas de mata fechada e atravessam rios e trilhas para chegar a uma cena de crime em busca de vestígios que possam substanciar uma investigação policial.

Para Alexandre Ferreira, perito criminal e coordenador das Unidades Regionais do CPC “Renato Chaves”, a aquisição do equipamento representa um avanço para a classe pericial paraense. “Geralmente, quando somos acionados para um local de crime, não sabemos o que vamos encontrar pela frente e isso sempre representará grande risco a todos, mesmo que com a proteção da polícia, fundamental nesses casos. Entendemos que a proteção dos agentes policiais não é total, por conta do desconhecimento completo do local. Daí a importância da utilização individual dos coletes pelos peritos”, comenta.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO