terça-feira, 9 de abril de 2013

Exôdo na caserna






Carlos Alexandre

O êxodo de oficiais das fileiras militares, revelado domingo no Correio, expõe problema gravíssimo do funcionalismo público e denota a fragilidade das ambições do governo brasileiro em exercer um papel relevante na comunidade internacional. A defasagem salarial em relação à iniciativa privada, motivo que contribui sensivelmente para a fuga de talentos na elite militar nacional, se soma às dificuldades de ascensão na carreira, problema recorrente mesmo no funcionalismo civil.

É desalentador saber que cinco anos de dedicação exclusiva à carreira, com seguidos deslocamentos com a família para diferentes cidades, resultam em acréscimo de R$ 594,74 no contracheque de um oficial formado nas melhores escolas do país. Preocupa igualmente o protesto de integrantes da reserva contra a influência política na escolha das mais altas patentes das Forças Armadas. "Ninguém assume isso lá dentro, mas o fato real é que, além do mérito, a questão política é um fator fortíssimo para um coronel ascender a general", queixou-se um oficial ao Correio, sob condição do anonimato. Quem conhece um pouco do cotidiano de Brasília sabe que a indicação, muitas vezes, se impõe sobre os méritos na Esplanada.

Historicamente, os militares têm sido uma das categorias mais penalizadas pelas distorções na administração pública federal. As dificuldades vão além dos soldos diminutos e se estendem para o maquinário obsoleto. É de conhecimento público que o Brasil está longe de representar uma força militar expressiva no contexto internacional. Operações como a ação humanitária no Haiti e o combalido projeto na Antártida são credenciais insuficientes para o postulante a um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU. A ascensão do Brasil para um patamar de grandeza na comunidade internacional passa necessariamente por maciços investimentos na formação e na retenção de talentos da caserna, bem como na modernização das nossas forças militares.

Convém ressaltar que há uma série de problemas transnacionais a desafiar a eficiência dos nossos militares. Para citar apenas dois, registre-se o tráfico de drogas nas fronteiras brasileiras e as missões conjuntas em regiões de conflito. A qualificação das Forças Armadas constitui uma prioridade, especialmente no momento em que as atenções mundiais estarão voltadas para cá ao longo dos próximos anos.

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO