quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Comissão analisará proposta de extinção da Justiça militar





Membros da Comissão Especial da PEC 56/13 foram designados em Plenário nesta terça-feira (3).

Na Reunião Ordinária também foram anunciadas mudanças nas comissões da ALMG em função da eleição do deputado Ivair Nogueira como 1º vice-presidente da Mesa - Foto: Willian Dias

Foram designados, nesta terça-feira (3/9/13), em Plenário, os membros de comissão especial criada na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) para emitir parecer sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 56/13, que altera as disposições constitucionais relativas à criação, ao funcionamento e às competências do Tribunal de Justiça Militar. Lafayette de Andrada e Zé Maia terão como suplentes os deputados João Leite e Dalmo Ribeiro Silva (todos do PSDB); já os deputados Cabo Júlio (PMDB) e Rogério Correia (PT) serão suplentes de Adalclever Lopes (PMDB) e Durval Ângelo (PT). A comissão ainda terá Romel Anízio (PP) como membro efetivo e seu suplente será Tiago Ulisses (PV). A PEC 56/13 tem como primeiro signatário o deputado Sargento Rodrigues (PDT).

A proposta pretende retirar da Constituição do Estado os dispositivos acerca do Tribunal de Justiça Militar. Nesse sentido, dá nova redação ao parágrafo 7º artigo 39, que passaria a vigorar da seguinte forma: “o oficial somente perderá o posto e a patente se for julgado indigno do oficialato ou se com ele for considerado incompatível por decisão do Tribunal de Justiça ou de tribunal especial em tempo de guerra, e a lei especificará os casos de submissão a processo e o rito deste”.

Com o novo texto, os oficiais militares passam a ser julgados pela Justiça comum, e não mais pelo Tribunal de Justiça Militar. De acordo com a justificativa da proposição, a alteração pretendida baseia-se em questionamentos recentes sobre a real necessidade de uma justiça especializada na área militar.

A fundamentação do projeto ainda traz dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). O órgão estima que, somente em 2012, os gastos com a Justiça militar mineira foram de R$ 43,4 milhões. Além disso, no mesmo ano, cada processo custou em torno de R$ 68 mil. Os tribunais militares estaduais existentes (Minas Gerais, São Paulo e Rio Grande do Sul) possuem juntos 42 juízes e tiveram um total de 7.812 processos baixados em 2011.

Os membros da comissão especial, agora, vão se reunir para eleger presidente e vice. Eleito, o presidente vai designar o relator da matéria.

Mudanças em comissões - Também na Reunião Ordinária, foram anunciadas as mudanças ocorridas nas comissões da ALMG em função da eleição do deputado Ivair Nogueira (PMDB) como 1º vice-presidente da Mesa. Ele comunicou sua renúncia às vagas de membro efetivo das Comissões de Administração Pública, de Transporte e da Comissão Extraordinária do Mercosul, bem como de membro suplente das Comissões de Fiscalização Financeira e de Meio Ambiente.

Já o deputado Adalclever Lopes (PMDB) abriu mão das vagas de membro efetivo da Comissão de Defesa do Consumidor e de membro suplente da Comissão de Transporte. Por sua vez, o deputado Cabo Júlio (PMDB) deixou a vaga de membro efetivo da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência. E o deputado Rômulo Veneroso (PV) abriu mão da vaga de membro efetivo da Comissão Especial da Dívida Pública.

Além dos comunicados de renúncia, houve também indicações para composição das comissões. O deputado Sávio Souza Cruz (PMDB), líder do Bloco Minas Sem Censura, comunicou sua indicação para membro suplente da Comissão de Transporte e indicou os deputados Cabo Júlio e Adalclever Lopes para membros efetivos, respectivamente, das comissões de Defesa do Consumidor e de Transporte. Já o deputado Tiago Ulisses (PV), líder do Bloco Avança Minas, indicou o deputado Romel Anízio (PP) para membro efetivo da Comissão Especial da Dívida Pública.

Consulte o resultado da reunião.

Fonte: ALMG

0 comentários:

Postar um comentário

Deixe o seu comentário, ele é muito importante!

EMPRÉSTIMO CONSIGNADO